Posts Populares:

Postado por: Ryu quinta-feira, 1 de janeiro de 2015


Pois é... O dia em que eu finalmente teria coragem de jogar Megaman Zero chegou. Eu não diria que eu estava exatamente animado pra isso porque o Zero nunca foi lá meu personagem favorito da série, porém havia uma certa curiosidade da minha parte em ver como essa série realmente é... No fim das contas, cansado de jogar Megaman ou Megaman X, eu resolvi realmente avançar pra próxima série e ver o que eu estive perdendo por todos esses anos.

A parte mais engraçada disso tudo é que as pessoas que eu conheço têm opiniões radicalmente diferentes sobre a série Megaman Zero ao todo, eu tenho um amigo e uma amiga que adoram essa série ao ponto até de dizerem que é melhor do que as duas anteriores, mas tenho outro amigo que a odeia descomunalmente, um outro que diz que é mediana e que o único jogo realmente bom dela é o 3... E por último, uma amiga que diz que esse primeiro jogo que eu vou falar sobre é chato e que o resto da série é ótimo.

Como pode ver, eu não tenho muita noção do que me aguarda e se eu vou gostar ou não disso porque o pessoal que normalmente me fazia a "propaganda" falava um monte de coisas diferentes e assim eu ficava confuso sobre o que caralhos eu devia pensar disso tudo. E então acabei baixando os quatro Megaman Zero e indo jogar um por um pra ver como cada um deles é e assim poder ter alguma opinião sólida sobre essa série relativamente polêmica entre o povo, mas até o momento só joguei o primeiro Megaman Zero mesmo e os outros eu vou jogar com o passar do tempo. Por pior que alguns me digam que esse jogo ou qualquer outro dessa série possa ser... Eu seriamente duvido com todas as minhas forças que qualquer Megaman Zero seja pior do que Megaman X6 ou X7. Ah, como eu duvido disso...

Pois bem, Megaman Zero aconteceu porque o Keiji Inafune sempre teve vontade de tornar o Zero o protagonista de alguma série de Megaman... Pra falar a verdade, o Zero seria de fato o novo "Megaman" desde o começo do desenvolvimento do primeiro Megaman X, porém ele achou que essa ideia poderia não dar certo porque o Zero tem um visual bem diferente do Megaman original e assim ele acabou o tornando um personagem secundário enquanto o X criado pelo Hayato Kaji acabou sendo o protagonista da série. Agora que Megaman X "acabou" com o X5, Inafune resolveu que a sequência dessa série seria protagonizada pelo Zero que acabou sendo mais popular do que ele inicialmente pensou que iria ser.

Dessa vez, Inafune resolveu trabalhar com uma outra companhia chamada Inti Creates, composta por vários ex-funcionários da Capcom, pra fazer o novo Megaman enquanto a equipe da própria Capcom, mercenária desde aquela época, decidia que a série X precisava ser arruinada e fazia o X6 de qualquer jeito sem conhecimento do Inafune pra ganhar dinheiro em cima do sucesso do X5. No fim das contas, o Inafune acabou descobrindo o X6, disse "Mas que porra é essa, hein?" e teve que mudar a história do seu próprio jogo pra fazer sentido com seja lá o que picas o X6 tenha feito com o final do X5 que era perfeitamente conclusivo pra série em questão. O resultado disso tudo foi que o X6 foi lançado e malhado pela crítica e pelos fãs por motivos dolorosamente óbvios, depois Megaman Zero foi lançado e teve uma recepção bastante positiva até de ambos os lados.

Isso tudo foi lá em 2001-2002, hoje em dia a situação da franquia toda é tão deplorável quanto você imagina e não existe mais nenhum "hype" no negócio todo. Mas ainda temos os jogos, né? Isso é alguma coisa!

Um dia eu jogo Megaman Legends e as outras séries que também foram feitas nisso tudo, mas por agora não tenho muito interesse. Então vamos lá ver o que diabos Megaman Zero faz pra se destacar de toda essa suruba de Megamans que existem por aí... Além do fato de que quando eu vi a capa e algumas imagens desse jogo, minha primeira reação foi me perguntar "O Zero virou uma mulher?", mas ok.

Parece que os papeis foram invertidos... Mais ou menos


Bem... Antes de começar a contar a história de Megaman Zero, eu vou ter que falar um pouco sobre o que aconteceu entre a série X e isso aqui, coisa que não é muito falada no próprio jogo, porém são informações interessantes até. Então vamos recapitular tudo o que aconteceu e tentar resumir de modo que não fique arrastado demais ao mesmo tempo que faça algum sentido.

Um tempo indefinido depois da derrota do Sigma no X6, Zero se permitiu ser selado e analisado por cientistas, tudo sem conhecimento do X, e o período de dormência do nosso amigo vermelho aí durou apenas 102 anos. Então com toda essa análise do Zero, foi inventada a tecnologia dos Cyber-elves, seres de pura energia e inteligência artificial que foram designados pra amplificar as habilidades dos Reploids que os usassem e combater o efeito do vírus dos Mavericks. O X então usou a Mother Elf pra acabar de vez com o vírus dos Mavericks e assim colocar um fim definitivo nessa guerra toda contra esses infelizes pra trazer a tão sonhada paz no mundo. Depois disso, X construiu uma cidade enorme chamada Neo Arcadia onde humanos e Reploids poderiam conviver em paz, realizando assim aquela utopia que ele tinha durante todo esse tempo.

Porém, um cientista chamado Dr. Weil roubou a Mother Elf, transformou ela na Dark Elf e assim se iniciou uma outra guerra chamada Elf Wars que matou uma caralhada de humanos e Reploids por todo o lado. Porém, X e Zero conseguiram impedir Weil de fazer mais merda e o baniram de Neo Arcadia pra sempre, e então ninguém nunca mais ouviu falar desse maluco de novo após esse permaban aí. Consequentemente, Zero se sela de novo porque... Uhhh... Acho que ele se sentiu culpado por esse conflito todo, afinal a tecnologia dos Cyber-elves meio que surgiu dele, mas ok.

Então cortando pro presente... Um novo regime começou em Neo Arcadia onde um monte de Reploids inocentes começaram a ser marcados como Mavericks e caçados injustamente. Então um grupo de resistência foi formado pra lutar contra essa ditadura Neo Arcadiana [?] e poder restaurar a paz de novo e bla bla bla. Um certo dia, uma unidade liderada por uma cientista chamada Ciel, que por sinal é a líder do bagulho todo, estava sendo perseguida por um monte de soldados de Neo Arcadia até serem eventualmente encurralados perto da área onde Zero foi selado há anos atrás, assim uma Cyber-elf é usada pra revivê-lo e ele resolve ir pro lado da resistência mesmo sem muita memória do que aconteceu no seu passado.

Um ser digital misterioso deu ao Zero o seu Z-Saber (eu acho) e assim ele conseguiu salvar Ciel de um robô gigante medonho conhecido como Golem cortando ele como se fosse um monte de merda sem valor. Então a Ciel acaba explicando pro Zero que ele é um Reploid lendário que lutou ao lado do X na guerra passada e bla bla bla... Mas então no meio disso tudo, é descoberto que essa ditadura de Neo Arcadia aí tá sendo liderada por ninguém menos do que o próprio X numa medida de manter paz por meios forçados, então isso tudo fica estranho porque o X que todo mundo conhecia era um cara pacifista que só lutava quando era necessário e tal.

Sem sua memória e nenhum rumo a seguir, Zero acaba se juntando definitivamente à resistência e assim começa a ajudar eles a derrubarem o regime supostamente começado pelo X. Quem jogou Megaman Zero ou talvez até leu alguma página dele na internet já deve saber o que realmente tá acontecendo e qual é a verdade por trás desse X ditador aí, mas vou dar o benefício da dúvida pra quem ainda não jogou esse jogo e conseguiu evitar "spoilers" dele mesmo depois desse tempo todo.



O que possivelmente eu poderia achar disso tudo no fim das contas? Não faço muita ideia porque certos aspectos dessa história toda são meio confusos... O Zero se sela pela primeira vez no final do X6, a história da série Zero implica que ele ficou selado por 102 anos, porém... Megaman X7 e X8 se passam depois disso e mostram o Zero perfeitamente livre e lutando do lado dos Maverick Hunters lá.

O que caralhos aconteceu afinal de contas? O Zero resolveu acordar porque dormir por 102 anos tava tedioso demais e aí quando Megaman X7 e X8 terminaram ele voltou pra sua cápsula porque lembrou que tinha que dormir pelo resto dos anos? Eu deveria ignorar Megaman X7 e X8 enquanto falo da história desse jogo pra que isso faça um pouco mais de sentido?

Mas que porra, Capcom! Por que vocês estragam tudo em que vocês tocam? Por causa da sua ganância escrota, Megaman X teve três sequências desnecessárias que nem sequer venderam tão bem assim e ainda por cima transformaram a história toda da série numa bagunça inconsistente dos infernos.

Enfim... Tirando essa confusão de lado, eu gostei dessa história olhando pra ela sozinha. Se tem uma coisa que Megaman tava precisando há tempos, são novos personagens ou talvez novos "arcos" de história, porque Maverick Hunters lutando contra o Sigma numa tentativa de salvar o mundo dele só tem graça até certo ponto. Convenhamos que o X5 acabou com isso no momento certo dando uma conclusão satisfatória a essa luta com o Sigma, e aí quando o X6 teve a oportunidade de fazer algo diferente e mais único em termos de história pra série... Eles vão e repetem a mesma merda tirando o Sigma e o Zero do cu.

Mas pelo menos Megaman Zero realmente faz algo diferente nessa história toda, por bem ou por mal. Nesse caso, o Zero meio que ainda é o mesmo cara lá da série X no sentido de que ele é um cara calmo, frio e sem muitos receios quando se trata de lutar contra seus inimigos, o fato de que a memória dele é vaga ao ponto de quase não existir só o torna mais estoico ainda do que o normal. Porém o desenvolvimento dele como personagem aqui tem a ver com a Ciel, que é mais ou menos a "Alia" desse jogo, porém com mais relevância pra história do seu respectivo jogo do que ela na série X.

No começo, os dois meio que se falam brevemente e o Zero parece que ajuda a Ciel e o resto da resistência simplesmente porque ele não tem mais nada pra fazer ou rumo pra tomar. Com o passar do tempo, ela começa a se preocupar com o Zero na medida em que as missões vão ficando mais arriscadas e ele mesmo também acaba criando algum tipo de laço com ela ao ponto de continuar lutando mais pelo bem dela do que dele próprio.

Ok, de certa forma, você pode fazer com que o Zero seja um cuzão na história com algumas poucas escolhas que eles te dão, como por exemplo após derrotar o Phantom pela primeira vez, ele revela que colocou umas bombas na base da resistência lá e aí você pode escolher desarmá-las ou simplesmente fugir. Eu escolhi a primeira opção porque eu sou badass e creio que o Zero faria a mesma coisa de qualquer forma, pelo menos o que eu conheço dele com relação da série X diz que ele nunca deixaria uma base inteira cheia de gente inocente ser explodida.

Existem também outros personagens da resistência, mas a maioria deles são meio que a mesma coisa dos outros Maverick Hunters da série X como o Signas, o Douglas, etc no sentido de que eles estão lá mais pra serem suporte e nada muito além disso. Também tem o X ditador aí que tem uma história até interessante por trás que obviamente seria spoiler se eu falasse aqui, porém eu até sinto um pouco de pena dele porque ele é aquele tipo de vilão que executa um ideal decente de uma maneira extrema ao ponto disso virar uma coisa ruim e, consequentemente, acabar tornando ele um vilão.

Isso talvez também vale pros guardiões dele: Harpuia, Fefnir, Phantom e Leviathan. Eles parecem estar do lado desse X porque realmente acreditam que ele esteja certo e que todos esses sacrifícios que ele faz são justificados porque é pra preservar a paz entre os humanos e Reploids e tal. Isso já torna esses antagonistas mais interessantes do que vilões passados como Dr. Wily, Sigma e até mesmo o Gate que tecnicamente só são maus e queriam dominar o mundo por seus próprios motivos egoístas. Talvez os antagonistas aqui só não sejam tão carismáticos quanto Wily e Sigma, mas olhando apenas a história de cada, creio que eles vencem nesse quesito.

Enfim... Apesar da ligação esquisita com a série X graças à merda que a Capcom fez, Megaman Zero tem uma história com fundações bem decentes que eu talvez não esperava muito porque a Capcom já tinha feito o que fez antes e um amigo meu meio que me fala coisas horrendas desse negócio. Mas ok, não vou julgar a série toda ainda porque tenho mais três jogos pela frente, então por esse primeiro jogo a história me parece bem promissora.

Tão distópico quanto você imaginava


Olha... Eu vou ser brutalmente honesto aqui, antes dizer qualquer coisa sobre os gráficos, eu preciso falar sobre o próprio Zero desse jogo. Caso você não tenha notado, ele sofreu uma mudança de design em partes por motivos da história da série... E eu absolutamente odeio a aparência do Zero nessa série. Talvez seja esse o motivo principal de eu ter demorado tanto pra dar alguma atenção pra Megaman Zero em si, toda vez que eu olhava pra uma das capas desses jogos e via essa versão do Zero, eu pensava "Nope" e ia jogar outra coisa.

Em que dimensão pegar isso e transformar nisso pareceu uma boa ideia? O Zero original era um androide badass com armadura, rabo de cavalo e a porra toda, isso aqui parece uma mulher ou no máximo um homem andrógeno raquítico que achou uma fantasia de super-herói japonês e resolveu sair por aí brincando com ela. Vocês me viram reclamando dos redesigns que o Sonic sofreu uma vez ou outra lá em 2010-2011, mas isso aqui também não é muito melhor, se eu gostei dessa versão do Zero, foi definitivamente por causa das palavras/ações dele e não pelo visual. Talvez eu não esteja acostumado, mas ainda assim iria preferir o visual do Zero da série X sem nem precisar pensar.

Ok então... Jogando o design ridículo do Zero de lado, esse jogo é bem bonito se tratando do resto das coisas. Os outros personagens têm designs bem legais, em especial os guardiões do X, e os sprites dos personagens no geral são bem animados, os efeitos visuais são bacanas e eles até colocaram uns detalhes legais nos inimigos sendo destruídos dependendo de qual arma o Zero usa pra matar eles. Se o Zero dá um tiro com o Buster, o inimigo explode, mas se ele dá um corte com a Z-Saber, o inimigo meio que se parte. Eu gosto desse tipo de detalhe, tem algo que me faz sentir uma satisfação maior em usar as armas quando eu vejo os inimigos "reagindo" de maneiras diferentes a cada uma delas.


Também existem as "cutscenes" do jogo que basicamente são imagens estáticas com caixas de texto embaixo delas... Eu vou reclamar disso? Não, até porque a série X fazia a mesma coisa e eu tava perfeitamente ok com isso, então não vejo por que começar a reclamar aqui. As imagens são bem desenhadas, eles nem repetem tanta ilustração que nem Megaman X5 por exemplo fazia, então nesse caso realmente não tenho do que reclamar.

A arte do jogo, previsivelmente, segue aquela mesma linha de ser pós-apocalíptica que Megaman X6 começou levemente. A maioria dos cenários que não são Neo Arcadia estão destruídos ou arruinados de uma maneira ou de outra, sem brincadeira, pra todo o lugar onde você vai se meter sempre tem alguma coisa destruída e o background sempre tá lá tão deprimente como sempre pra te lembrar que isso aqui é um mundo totalmente fodido e sem vida.

Eu... Meio que gosto dessa arte pra falar a verdade. No começo eu não me senti muito atraído por isso nem quando o X6 fazia, só achava isso feio e sem vida, principalmente em comparação com o Megaman clássico e a série X que tinham cenários que eram exatamente o oposto disso e eram bem mais agradáveis. Porém, acho que eu comecei a pegar costume com isso, mas agora eu não conseguiria imaginar algo mais apropriado pra essa série do Zero e esses personagens, acaba adicionando um pouco mais à atmosfera sombria que esse jogo tenta passar.

Megatroidvania...?


Megaman Zero é um jogo que definitivamente me deixou com uma caralhada de perguntas na cabeça. Se você olhar alguma imagem ou vídeo que mostre algum trecho de gameplay de uma missão separado, vai pensar que isso é só um jogo de Megaman que nem qualquer outro da série X ou da clássica... Mas a verdade é que Megaman Zero é isso ao mesmo tempo que tenta ser mais outras coisas e tenta adicionar sua própria identidade em uma fórmula que praticamente todo mundo já conhece e já tá careca de saber como funciona. E como diabos essa maluquice acaba se saindo? Ehhh... Digamos que é o tipo de resultado que você esperaria de um jogo experimental em alguma franquia já estabelecida.

Quando você começa a típica fase de intro que virou padrão da série desde o primeiro Megaman X... O Zero pode correr, pular, dar tiros com o Buster (é só uma pistolinha de plasma na verdade, mas ok), dar dash e pular nas paredes. Então nesse caso ele se locomove e ataca de uma maneira bem parecida com a do X nos jogos dele, mas você também pode dar tiros carregados e usar seu Z-Saber que é liberado quando Zero enfrenta o primeiro Golem e consegue derrotar o infeliz com um só golpe do seu sabre. Após isso, Zero e Ciel voltam pra base da resistência, tem uma caralhada de texto com exposição e ele é mandado em sua primeira missão.

Fode sim, porra! Agora vou poder controlar o Zero, vou sair atirando e cortando todo mundo aí com meu combo de sabre de... De... Um hit? Mas o que picas é isso? O Zero tinha um combo de três hits na série X, por que diabos esse downgrade estúpido? E alguns inimigos nem morrem com um só corte do Z-Saber, então ficar usando o único ataque dele que você tem pra matar eles é meio que uma merda. Por que fizeram essa merda aí, hein?

Bem... Como o Zero tá um pouco enferrujado quando se trata de combate e se lembra de pouca coisa, ele não é mais o pica das galáxias do Z-Saber que ele era há uns anos atrás. Então pra que o Zero possa se tornar tal força da natureza, é necessário que você dê upgrade no Z-Saber e no Buster, a cada upgrade a respectiva arma ganha uma nova função, como por exemplo o Z-Saber com o primeiro upgrade pode dar um combo de dois hits e o Buster pode... Dar um tiro consecutivo a mais? Ué, por acaso o Zero esqueceu como faz pra apertar o gatilho de uma pistola uma quarta vez? Bah, tanto faz.

Então tudo bem, é compreensível que o Zero não tenha mais suas habilidades caralhudas devido ao tempo que ele ficou adormecido por aí. Então vamos lá transformar esse Reploid andrógeno raquítico em um homem de verdade! Como a gente vai fazer isso? Achando cápsulas por aí? Enfrentando bosses? Explorando as fases? As armas vão melhorando na medida em que meu rank vai subindo? Como isso vai funcionar?

Não, nenhuma dessas alternativas é a resposta. Você dá upgrade nas suas armas matando inimigos com elas até aparecer uma mensagem dizendo que a dita arma recebeu um upgrade. Pode não parecer grande coisa, mas acredite... É. Você tem que grindar em um jogo de Megaman, você tem que parar em um lugar e ficar matando os inimigos que aparecerem na tela pra poder evoluir como se isso fosse um RPG... Em um Megaman! Sabe o quão estranho isso soa? Bem, na prática é mais ainda, porque os ataques iniciais são tão ineficazes e fracos que é melhor que você consiga logo pelo menos o upgrade do combo de três hits do Z-Saber e o do tiro carregado Level 2 do Buster se por acaso quiser ter alguma chance de sobreviver a uma luta com um boss.

Na verdade quando eu rejoguei Megaman Zero, eu quis evoluir o Buster e o Z-Saber pros seus níveis máximos de uma vez logo na primeira missão após a fase de intro pra eu não ter que parar pra ficar grindando em toda santa missão que eu for pegar. A primeira missão também tem um ponto onde isso é fácil de fazer porque existe um inimigo que é parecido com uma "torre" que fica se levantando e você destrói os pedaços enfileirados dele com o Buster ou o Z-Saber antes que atirem em você.

E sabe quanto tempo eu demorei pra poder evoluir os dois aos seus níveis máximos? Nada mais e nada menos do que 30 minutos, 30 minutos parado metralhando o botão de ataque na frente de uma torre. Foi provavelmente uma das coisas mais maçantes que eu já tive que fazer em um jogo dessa série, especialmente porque os upgrades depois do combo de três hits do Z-Saber demoram um ano pra acontecerem. Então ok, eu agora tenho todos os upgrades, o Zero pode dar tiros carregados mais rápido e tem mais combos, um corte carregado e o corte giratório que ele pode fazer no ar e durante um Dash. Dessa forma eu sempre passo a primeira missão sem maiores problemas e passo as outras sem me preocupar com upgrades de armas.



Mas ok, o que realmente diferencia Megaman Zero mais ainda dos outros jogos da série que vieram antes é que ele não progride só com você escolhendo um boss e indo enfrentar ele numa fase específica. Nesse jogo, as fases não são exatamente "fases" e sim localizações do hub que as conecta entre si e assim cria uma espécie de mundo aberto, e pra falar a verdade eu realmente gostei dessa ideia! Pense comigo: Megaman sempre teve um elemento de exploração no meio de tudo. Nos clássicos você pegava caminhos diferentes e era recompensado com E-Tanks além de outras coisas como as letras do Beat no 5 e no 6, as funções do Rush e o Super Adaptor no 7, na série X existiam as cápsulas do Light, os Sub Tanks e os Heart Tanks... E por aí vai.

Então o que poderia ser melhor do que um Megaman com um mundo aberto que você pode explorar até o talo e achar uma caralhada de coisas por aí enquanto completa suas missões? Eu realmente fiquei empolgado com essa ideia e inclusive foi ela que acabou me convencendo a jogar Megaman Zero pra início de conversa... E ela não chega nem perto de ser isso que eu imaginei que seria no fim das contas. Veja bem... Megaman Zero tem um mundo aberto, mas se você olhar direito, não tem tanta coisa pra explorar assim.

Existe o hub principal que é a base da resistência, lá você conversa com o povo, conhece personagens como a Alouette que é uma Reploid que fugiu de Neo Arcadia, o Cerveau que é um maquinista que faz mais armas pro Zero (vou falar disso depois) e uns outros personagens menos importantes como um gordão lá que te pede pra alimentar ele com cristais de energia e um velho que te conta uma história longa e se você ouvir tudo, A.K.A metralhar A até ele terminar a história, ele vai te dar um Cyber-elf.

Pois é, agora vou te dizer como esses cristais de energia e os Cyber-elves funcionam dentro desse jogo... Você já leu logo ali na parte da história que os Cyber-elves aprimoram as habilidades dos Reploids, não é mesmo? Se não leu e tá se perguntando o que diabos é isso, então vai se foder porque era a sua obrigação ter lido. Então, é exatamente isso que os Cyber-elves fazem em Megaman Zero: Eles podem ser usados pra que o Zero tenha seus atributos melhorados e outras coisas dependendo do tipo de Cyber-elf.

Aqui existem três tipos deles: Nurse, Animal e Hacker. Na classe das Nurses, existem aquelas que podem restaurar sua vida em quantidades variáveis de um pro outro, também existem umas que podem se transformar em Sub Tanks, tem as que servem de escudo e absorvem projéteis de inimigos e os transformam em energia pro Zero... E por último, mas não menos importante, tem as que expandem a barra de vida do Zero assim como os Heart Tanks na série X, e a Winkie, que é a mais rara e dá uma segunda barra de vida pro Zero, assim deixando ele com vida pra caralho. Fácil e óbvio, né? O que mais uma classe de suporte chamada Nurse poderia fazer além de se focar em deixar o Zero com uma boa saúde?

Os Animals já dão suporte com outras coisas, em maior parte com o modo como o Zero lida com os perigos nas fases. Eles podem te seguir pela fase e atirar em inimigos por aí durante a missão toda, ou então você pode usar aqueles que stunam inimigos também enquanto a missão durar, outros podem virar escudos por tempo limitado, e outros também podem te salvar de abismos como o Beat fazia com o Megaman clássico. E assim como as Nurses, existem os mais raros que te dão habilidades de subir/descer escadas mais rápido, escorregar mais rápido em paredes, acabar com o knockback quando o Zero recebe um hit, fazer o Zero correr mais rápido e aí Shelter, que é o mais raro e aumenta a defesa dele. Esses são os Cyber-elves que eu mais uso pra falar a verdade, toda vez que eu tenho dificuldade com alguma fase, esses tornam ela bem mais fácil de passar porque te ajudam de uma caralhada de maneiras diferentes.

Os Hackers dão outro tipo de assistência como stunar todos os inimigos da tela por um período de tempo, te dar mais tempo quando tem um timer na fase, fazer os inimigos mortos droparem mais itens, transformar os inimigos em Mettals, cortar a vida de um boss pela metade, sumir com os inimigos e então tem o Totten que basicamente torna os espinhos inofensivos. Esses normalmente eu não uso tanto porque são bem situacionais e os mais úteis você precisa evoluir e o jogo sempre exige quantidades ridículas de cristais pra evoluir Cyber-elves.

Antes de continuar falando deles, vou voltar pro assunto das armas que você consegue do Cerveau... Tem o Shield Boomerang que é um escudo que você pode usar e carregar pra jogar nos inimigos como se você fosse o Capitão América. E a Triple Rod, que tem ataques em direções diferentes e pode fazer o Zero quicar nos inimigos com ela... Eh, eu não uso essas duas armas muito no jogo, primeiro porque eu teria que grindar elas também pra que elas fiquem úteis e isso demoraria uns 10 minutos no mínimo, e segundo porque nesse jogo elas não são tão úteis assim já que o Buster e o Z-Saber dão conta de fazer tudo.


Então... A maior parte da exploração desse jogo vem de procurar Cyber-elves pelos cenários, existem 78 deles no total e eles estão espalhados por aí, uns são mais fáceis de achar e outros não. Eu mesmo acho a maioria deles facilmente só procurando um pouco mais ao redor dos locais das missões, e algumas vezes esse jogo parece meio contraditório sobre isso de ser um mundo aberto que você pode explorar. Toda vez que você começa uma missão e vai pra algum lugar diferente com a intenção de explorar, como ir pra esquerda no começo ao invés de avançar logo pra direita, a Ciel diz "Não é essa a direção correta." e então mesmo você querendo explorar, o jogo te faz ir pro caminho determinado pela missão.

Isso seria um incentivo pra explorar os locais quando finalizar a missão? Bem... Sim, poderia ser, você pode usar um Trans Server pra te transferir de volta ou ir andando mesmo pra onde tem a missão, mas eu não gosto de ter minha exploração limitada por causa de uma missão, normalmente eu faço questão de pegar tudo ou pelo menos a maioria das coisas que eu posso enquanto faço a missão em tal lugar. E pra falar a verdade, nem sempre vale muito a pena revisitar os lugares pra explorar assim considerando que, como eu disse, a maioria dos Cyber-elves não são tão difíceis de achar e os mais úteis você provavelmente vai pegar durante o jogo normal se explorar pelo menos um pouquinho.

Honestamente, eu me interessaria muito mais em explorar os mapas desse jogo se tivessem mais coisas do que Cyber-elves pra coletar, mas ok. O meu problema não é exatamente com o fato de que eu procuro por Cyber-elves nos cenários e sim com a evolução deles... Os mais úteis como os que viram Sub Tanks, aumentam a barra de vida, etc precisam de cristais de energia pra evoluírem, esses cristais você acha por aí no cenário ou então os inimigos dropam. Simples, não é? Pois bem, as Nurses que aumentam a vitalidade do Zero, por exemplo, requerem 750 cristais cada, as que viram Sub Tanks requerem 1200 e a Winkie requer 3000 pra evoluir totalmente.

Sabe quantos cristais de energia você normalmente consegue passando normalmente por uma missão desse jogo? Se você der sorte e os inimigos droparem cristais pelo menos com alguma consistência, vamos dizer que você consegue uns... 50 cristais. Pois é, não é nada comparado com a quantidade ridícula de cristais que esses Cyber-elves querem, então pra você ter cristais o suficiente pra dar pra todo mundo, você vai ter que achar algum lugar com um monte de inimigos e ficar matando eles pra grindar cristais até você se cansar... Porque grindar pra fazer upgrades nas armas não era o suficiente, né?

Só pra evoluir a Winkie, eu voltei pro laboratório abandonado e fiquei quase uma hora matando aquelas aranhas que saem de dentro de um ninho... Eu não tô brincando, eu fiquei uma hora matando monstros pra conseguir os malditos 3000 cristais que ela requer pra evoluir e me dar a porra da barra de vida dobrada! Por que esse jogo insiste em ficar me fazendo grindar por quantidades tão absurdas de tempo? Isso é Megaman, porra! Se eu quisesse ficar matando monstros o tempo todo pra evoluir meus status e ficar mais forte, eu vou jogar Final Fantasy ou qualquer outro RPG e não um Megaman... E olha que até em RPGs grindar pode ser um saco dependendo da ocasião.

Eu não me importaria tanto com isso, mas os Cyber-elves realmente requerem quantidades absurdas de tempo pra você evoluir eles, e ficar quebrando o ritmo do jogo toda hora pra fazer isso é uma merda. Pelo menos as Nurses são necessárias a menos que você seja um profissional nesse jogo, porque a barra de vida normal do Zero não é muito grande e bastam só alguns hits pra você morrer, então você vai precisar evoluir elas... O que significa que você vai passar um tempo com seu progresso interrompido pra ficar grindando por aí até conseguir cristais suficientes pra fazer o que você precisa. Os primeiros bosses não são muito difíceis, mas quando você enfrenta os guardiões do X e os outros bosses mais pra frente no jogo... É melhor você ter esses upgrades de vida porque eles podem te estuprar se você não souber o que você tá fazendo.

Aliás, eu esqueci de falar antes, mas os Cyber-elves podem ser usados só uma vez porque após serem usados, eles morrem... Wow, você tem que ter um coração de pedra pra criar um bichinho tão fofinho quanto esses e botar ele pra morrer no seu jogo.

Bem... Ok. Já falei o suficiente dos Cyber-elves e acho que gastei texto demais sendo que eu nem sequer toquei no level design e no resto das coisas imporntantes de Megaman Zero... Pois é, tem coisa pra caralho pra falar sobre nesse jogo, mas vou tentar não deixar isso mais longo do que tinha o direito de ser.

Você escolhe as missões e elas se passam em determinados locais do jogo com um boss no final. Mas não, não é que nem Megaman ou Megaman X onde cada boss tinha sua própria fase e tal... Não, Megaman Zero na verdade tem só algumas fases onde as missões se passam e por isso você faz até missões revisitando essas fases com outros bosses no final. Existem os Mavericks normais como o Aztec Falcon e os outros que você enfrenta na primeira metade do jogo, então tem uma missão intermediária com Neo Arcadia atacando a base da resistência, e depois os guardiões do X.

Você repete os locais e eles dificilmente mudam muito em cada missão, o que é meio que uma merda pra falar a verdade porque isso deixa o jogo consideravelmente mais repetitivo... Mas pelo menos algumas fases têm caminhos diferentes, como a do deserto que inicialmente você vai lá até o fim e depois numa outra missão mais tardia tem um caminho subterrâneo diferente. Porém o level design é meio misturado... Na maioria das ocasiões ele é ok, mas em outras ele pode ser uma merda com cheap hits bem parecidos com os do primeiro Megaman pro NES.

Na missão da fábrica abandonada tem um certo ponto onde você atravessa plataformas que estão carregando lenha sobre um abismo e tem que desviar de umas máquinas enquanto mata os inimigos que te atrapalham... Parece desafiador, porém nada de errado... Daí você chega no final onde vê que dá pra pular pra escada e no exato momento em que você pula surge um inimigo voador logo de cima te acertando e aí te mandando pro abismo. Também existe aquela missão de ficar libertando soldados em uma prisão, você fica subindo/descendo escadas e os inimigos respawnam nesses pontos, e parece tudo bem até que... Bem... Veja só isso.

Os bosses por outro lado são realmente bons... Difíceis, mas bons, você tem que pegar os padrões deles e saber desviar dos ataques, caso contrário você vai se foder nas mãos de praticamente todos eles. Aqui eles não te dão armas novas, mas dão chips elementais que se comportam mais ou menos da mesma forma, só é meio decepcionante que a única coisa que muda é o elemental do tiro/corte carregado do Zero quando você usa esses chips e nada mais. Mas as fraquezas dos bosses são fáceis de descobrir por só ter três "armas" pra experimentar, e mesmo usando os chips você ainda tem que tomar um certo cuidado pra não sofrer muito dano. Os bosses pra mim são a melhor parte desse jogo, a maioria das lutas são bem intensas e requerem reflexos bons, principalmente as lutas com os guardiões do X... No entanto, o final boss por algum motivo é decepcionantemente fácil, as duas formas dele.

Megaman Zero apresenta uma porrada de boas ideias, mas não executa elas tão bem assim na maioria dos casos... Esse jogo pode ficar maçante por causa desse grinding excessivo e as melhores partes são quando você pode simplesmente aproveitar as missões, apesar de umas partes com level design ruim... Mas pelo menos você sente como se estivesse jogando Megaman, dá pra passar da maioria com um ritmo rápido e é até satisfatório quando você fica realmente bom nesse jogo.

Trilha sonora menos memorável, porém decente


Assim como o Mega Drive, o GBA não é conhecido por reproduzir os melhores sons do mundo e a maioria dos jogos dele costumam ter umas músicas que soam estranho. No entanto, Megaman é uma franquia que sempre teve músicas consistentemente boas no decorrer de todo o seu tempo de vida, até mesmo na maoria dos jogos ruins a trilha sonora ainda foi um ponto forte, então o máximo que eu posso esperar é que Megaman Zero não dê uma de Sonic 4 e siga essa tradição.

O resultado... Ehhh... É ok, considerando que o GBA normalmente emite sons bizarros, Megaman Zero consegue pegar isso e transformar em algo audível. No entanto, das trilhas sonoras de Megaman que eu ouvi até então, essa tá entre as menos memoráveis, uma parte das músicas são decentes apesar de nada surpreendente, outra parte é simplesmente genérica e aí existem algumas que são realmente boas como a música de boss que é bastante intensa.

No entanto, acho que dá pra dizer que essa trilha sonora é boa o suficiente pra acompanhar o jogo apesar de não ser tão boa quanto o usual. Talvez no próximo jogo isso melhore consideravelmente considerando que o primeiro Megaman clássico também não tem muuuuitas músicas que me agradem com a exceção de algumas específicas e no 2 isso tinha melhorado consideravelmente. Os efeitos sonoros também não se destacam muito, mas acho que nesse caso a culpa cai totalmente no chip de som do GBA mesmo.

Considerações finais

Francamente, acho que Megaman Zero não me impressionou tanto assim, o que de certa forma me deixa um pouco decepcionado considerando que o Inafune meio que considera isso superior aos Megamans passados. Mas apesar disso, eu consegui me divertir de uma forma ou de outra... Digo, esse jogo não é necessariamente ruim, só não conseguiu me convencer sobre esse hype todo que o Inafune criou em volta dele desde quando Megaman X5 saiu e tal. E por incrível que pareça, ele é o jogo dessa série com a melhor avaliação da crítica, os outros foram bem recebidos, mas não tanto quanto esse.

Ao mesmo tempo que isso acontece, já vi gente dizendo que esse primeiro Megaman Zero é "morno" e aí do 2 em diante fica realmente bom. Será que os críticos tavam lokões das linguiça quando analisaram os outros jogos da série ou o que? Bem... Não vai ser me perguntando aqui que eu vou achar a resposta, então provavelmente em breve eu jogarei Megaman Zero 2 e verei o que diabos esse jogo faz pra melhorar o que tem de errado no seu antecessor.

De qualquer forma... É isso aí, joguei Megaman Zero, não fiquei muito impressionado, porém o jogo é decente na maior parte do tempo e talvez agrade alguém menos chato do que eu. Existem boas ideias e conteúdo promissor aqui, mas não tem muita coisa executada com tamanha maestria que faça com que esse jogo se torne algo que seja obrigatório que qualquer pessoa que tenha um GBA ou um emulador de GBA jogue agora mesmo. Vou ser um pouco mais gentil nesse caso porque apesar de tudo, esse é um daqueles jogos onde é a "primeira tentativa", especialmente considerando que foi criado por uma outra equipe diferente da que fez os jogos do Megaman Clássico e do X. Então chega de enrolação, Megaman Zero é um jogo bom, mas não ótimo, o que torna ele pior do que boa parte da série X, mas ao menos o bota anos luz à frente do X6 e do X7.

Prós:
+ Gameplay similar ao padrão da série, porém com seus próprios elementos distintos.
+ História bem desenvolvida o suficiente apesar do tom mais sombrio do que o usual.
+ Gráficos bastante detalhados.
+ A trilha sonora não é tão boa quanto a das séries anteriores, mas tem seus "hits".

Contras:
- Missões em locais repetidos.
- Os chips elementais podiam ter ataques diferentes ao invés de só tiros/cortes carregados.
- Uns trechos de level design questionáveis aqui e ali.
- Grindar num Megaman? Não, obrigado.

Gráficos: 9/10
Enredo: 8/10
Gameplay: 6/10
Som: 7/10
Conteúdo extra: 6/10
Veredicto:

{ 25 comentários }

  1. Eu acho MMZ uma merda, todos eles e os ZX também

    ResponderExcluir
  2. Tem que grindar nas armas no Zero 2 também, mas só nele porque no 3 e no 4 isso parou. :v

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E qual é a desculpa do 2? O Zero bateu a cabeça e esqueceu das habilidades dele?

      Excluir
    2. Não tem desculpa, ele só tem que conseguir as skills de novo. aheuaheuaheuaheuhaue

      Excluir
    3. Ryu, no 2 tem uma desculpa sim.

      Depois de destroir Copy X, Zero vaga pelo deserto sozinho, procurando o verdadeiro X. Seus mecanimos e juntas estão desgastadas porque ele não pode fazer manutenções.

      Você pode até ver isso quando abre o menu: Na primeira fase, o menu é igual do Zero 1, mas está todo inferujado e rachado, e algumas opções estão "quebradas", simbolizando o estado lastimavel do Zero.

      Depois da primeira fase, a Ciel da um reparo nele, e você pode ver isso pelo novo Menu que agora tem, mais moderno e limpo. Mas a Ciel disse que as armas do Zero estavam em pessimas condições, e ela não pode recuperar todas.

      Ta ai a explicação.

      Excluir
    4. Ainda assim, isso não justifica ele esquecer de fazer combos com espadas e não saber concentrar o tiro...

      Excluir
  3. eu já fapei pra esse zero

    ainda bem q isso é anonimo e nunca descobrirão quem sou

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem querer te encher mas, vc pretende fazer review do jogo Shadows of Mordor ? Mas fora isso esse a Capcom parece curtir em deixar quase todas as narrativas em seus jogos mortos incompletos não?

      Excluir
    2. Talvez, se um dia eu jogar e animar pra fazer isso provavelmente.

      E sim, a Capcom adora fazer essas merdas de começar uma coisa e depois simplesmente acabar sem uma conclusão de verdade, só olhar pra Devil May Cry aí.

      Excluir
  4. O final do Zero no X6 se passa depois do X7 e do X8.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é teoria de fã, nos jogos isso nunca é dito em lugar algum.

      Excluir
  5. Essa série só não é pior do que a ZX.

    ResponderExcluir
  6. euaheuaheuaheuahueaheuau uma das melhores reviews que eu li aqui em um bom tempo.

    Eu não gosto desse primeiro Zero, mas adoro os outros e acho o 3 o melhor da série, foi progredindo da mesma forma que o primeiro Mega Man era mediano e o 2, o 3 e o 4 eram muito melhores.

    ResponderExcluir
  7. jogo lixo

    mega man sempre foi ruim

    tem que evoluir e ficar bom que nem resident evil 4 5 e 6

    ResponderExcluir
  8. Ótimo texto! Apenas para acrescentar que existe uma coletânia de todos os 4 jogos do Mega Man Zero para DS, se caso alguém se interesse.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mto difícil os comandos no DSi. N da p customizar TDs os botões. Apesar da imagem mto boa, chega a dar raiva de tao difícil para controlar.
      O ZX tem uma jogabilidade melhor... porem e fraco na historia e no resto!

      Excluir
  9. É claro que você não ia gostar tanto assim, já foi jogar pronto pra odiar só pelo visual do Zero...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não gostar do visual do Zero não é a mesma coisa de eu não gostar do jogo em si.

      Caso você não saiba, uma nota 7 significa que o jogo é bom, não ótimo, mas bom.

      Excluir
  10. Cara...Vc leu toda a review dele?

    ResponderExcluir
  11. Texto interessante. É um bom jogo mas evolui com os próximos, quase corrigindo cada coisa q era fraca (grindar principalmente). E mais um detalhe, a história se encaixa com o passar, o lance do design tb se explica, ñ é o corpo original do Zero, por isso mais fraco e diferente.

    ResponderExcluir
  12. Texto muito bom. Uma pena que não tinha lido antes. Concordo com praticamente tudo dito aqui.

    O sistema de grinding faz o jogador querer desistir, mas após enfrentar Aztec Falcon e ver que as batalhas são dinâmicas o suficiente para prender o jogador, ele cria coragem denovo e continua em frente.

    Espero ansiosamente os próximos reviews.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu já joguei praticamente a série toda agora, e tenho até muita coisa pra falar quanto ao 2, talvez o post dele até surpreenda a maioria aqui considerando que eu sempre vejo ele sendo visto como o melhor da série.

      Excluir
    2. Eu acho o 2 o pior da série, mas espero pelo post também

      Excluir

- Copyright © Blog do Ryu - Date A Live - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -