Posts Populares:

Postado por: Ryu segunda-feira, 17 de novembro de 2014


Por falar em jogos que eu pensei que iria odiar e acabei gostando... O assunto desse mesmo post aqui é Katawa Shoujo: Uma visual novel feita por usuários do 4chan. Sabe? Aquele mesmo imageboard que você costuma frequentar quando tá afim de ver uma imagem de um dragão enfiando o pinto dele no buraco do motor de um carro... Ok, eu sei que nem todas as boards são assim e isso é basicamente o /b/, mas ele é o mais famosinho de qualquer forma. Do jogo em questão eu fiquei sabendo através do /v/ que eu frequentava lá pra 2009-2011 e hoje em dia olho ocasionalmente. E a história por trás de Katawa Shoujo é no mínimo fascinante.

Em 2007, um usuário do 4chan que se auto-denominava "Nurse-kun" e dizia ser um enfermeiro começou a contar uma história sobre uma menina que sofreu um acidente de carro e perdeu as pernas, um braço e um dos olhos no processo... Ah sim, os pais dela morreram nisso também.

E você aí reclamando da vida e postando gifs chorões no Tumblr dizendo que é psicopata/depressivo que odeia a sociedade podre só porque seu pai não quis te dar dinheiro pra você sair pra baladinhas, né? Pois é, reavalie seus conceitos se você realmente faz isso... Boiola dos infernos.

Enfim, Nurse-kun era um enfermeiro legal que cuidava dessa garota e sentia muito afeto por ela, tentando confortar ela ou até fazê-la rir mesmo depois de um acidente tão fodidamente horrível. Então ele falava sobre seu trabalho no /b/, e em meio a uns users fazendo piada sobre ele ser pedófilo e tudo mais, muitos outros users se sensibilizaram com a história desse sujeito e aí davam seus apoios a ele, até mesmo o encorajando a adotar essa garota... Coisa que depois de um tempo ele fez, e provavelmente deve viver aí com ela até hoje. Claro que isso é uma versão resumida da história, mas eu recomendo que você procure arquivos das threads sobre isso se estiver com saco pra ler uma porrada de texto, é uma história bem reconfortante... Até mesmo pra uma pessoa como eu que nem costuma se comover com muita facilidade. Apesar que talvez isso seja fake, afinal o povo do 4chan costuma ter tanta imaginação que eu não sei por que eles não foram contratados pra escrever roteiros de filmes ainda.

Então um outro user do 4chan chamado Raita se inspirou nisso e começou a criar concept arts de uma Visual Novel envolvendo garotas deficientes. O pessoal achou que era uma boa ideia e assim reunindo uma equipe de vários outros usuários do 4chan, foi fundado o Four Leaf Studios, desenvolvedora independente assim como várias outras por aí. Assim nasceu Katawa Shoujo (traduzindo aqui seria algo como "Garotas Incapacitadas"), o jogo que temos hoje em dia e foi lançado há dois anos atrás.

Por que eu demorei tanto pra jogar Katawa Shoujo? Bem... Eu admito que em partes foi um pouco de preconceito vindo da minha pessoa. Eu já sou meio chato, não sou muito de jogar Visual Novels e as imagens que eu vi por aí me fizeram crer que isso era só uma Visual Novel genérica sobre waifus e coisas do tipo. Só que pra qualquer lugar da internet que eu ia, sempre tinha alguém falando algo sobre Katawa Shoujo, até lembro que algum cara do /v/ contou uma história sobre como esse jogo ajudou ele a ficar mais próximo de uma garota deficiente que ele conhecia. Então em um daqueles dias tediosos sem nada pra jogar e querendo alguma coisa inédita... Eu acabei dando uma chance a Katawa Shoujo, até porque eu não tinha nada a perder mesmo e talvez eu poderia ser surpreendido.

Outra coisa que também me motivou a dar uma chance foi ter lido a review do Amer sobre Katawa Shoujo. Foi até por ela que eu acabei procurando saber sobre essa história por trás do jogo e fiquei surpreso com o que encontrei.

Agora chega de enrolação, vamos começar logo essa bagaça. E essa review provavelmente vai ficar diferente do usual aqui, porque Visual Novels assim não têm muito gameplay pra início de conversa, então é mais sobre a história e os rumos que você pode fazer ela tomar com suas decisões e tal.

My heart has dun goof'd


A história aqui começa com o nosso protagonista: Hisao Nakai, um garoto de 18 anos que vivia normalmente numa cidade qualquer do Japão, frequentava uma escola, tinha amigos e tudo o que uma pessoa comum poderia ter. Porém a sua vida muda pra sempre quando ele de repente sofre um ataque cardíaco enquanto se encontra com Iwanako, sua quase-namorada. De início eu já fiquei com pena desse cara porque... Porra, mas que hora pra ter um ataque cardíaco, hein? Parece até que tem algum maluco sádico controlando essas coisas escolhendo os piores momentos possíveis pra ativar doenças nas pessoas com seu painel. Já aconteceu esse tipo de inconveniência comigo também, Hisao, eu sinto você, irmão...

... Mas o caso do Hisao é pior do que o meu porque esse ataque cardíaco ocorreu porque ele tem Arritimia. Pra quem não sabe, é uma condição cardíaca fatal onde o coração bate de forma irregular e pode até matar o pobre infeliz que tiver isso se não tratar. Ele só não morreu porque a Iwanako chamou uma ambulância e ele foi levado com rapidez pro hospital sobrevivendo por um triz. Não seria maravilhoso se você fosse encontrar a sua namorada e aí sem mais e nem menos caísse duro na frente dela e morresse?

Em sua estadia de quatro meses no hospital, Hisao recebia visitas dos seus amigos assim como da Iwanako quase sempre. Só que com o tempo essas visitas foram ficando menos frequentes, até que ele foi definitivamente largado por todo mundo que perdeu a esperança de que ele poderia melhorar e sair de vez do hospital, assim sobrando só seus parentes fazendo visitas. Certo dia, Hisao finalmente recebeu alta do hospital, porém devido às suas condições cardíacas ele vai ter que ser transferido pra Yamaku, uma escola especial pra pessoas deficientes que fica beeeem distante de onde ele mora e ficar tomando remédios cuidadosamente o tempo todo pra não cair morto no chão por aí.

Obviamente o Hisao não gostou da ideia de ficar longe dos seus parentes e dos seus amigos pra ir pra uma escola cheia de deficientes, mas ele acabou indo até porque não tinha outra escolha mesmo.

Chegando lá, ele acaba se vendo começando uma nova vida em um local cheio de pessoas estranhas. Mas pra sua sorte, Hisao não tem muitos problemas em conseguir amizade com algumas pessoas da sua classe... O que já o torna mais sociável do que eu era na época em que estudava, mas tudo bem. Nisso ele conhece duas garotas: Shizune Hakamichi, a representante da classe que é surda e muda, e a sua amiga e intérprete, Shiina Mikado, normalmente chamada de Misha, uma garota que usa duas furadeiras rosas como cabelo e é exageradamente hiperativa. Nunca ficou muito claro o que diabos a Misha tem pra estar nessa escola já que ela parece ser a mais normal daí fisicamente falando, mas algumas pessoas dizem que ela tem ADHD.

Então enquanto conhece Yamaku mais a fundo, Hisao também acaba conhecendo e fazendo amizade com outras garotas também deficientes: Lilly Satou, que é uma garota cega, Hanako Ikezawa, uma garota com cicatrizes de queimadura por toda a parte do corpo e tímida pra caralho, Emi Ibarazaki, uma garota que perdeu as pernas em um acidente e gosta de correr com suas próteses como se fosse uma versão loli do Sonic, e por último mas não menos importante, Rin Tezuka, uma garota que nasceu sem braços e tem um dom pra pintar usando seus pés.

Basicamente... Yamaku tá em véspera de um festival anual, todo mundo tá trabalhando pra isso e o Hisao pode ganhar afinidade com qualquer uma dessas garotas dependendo das suas decisões no decorrer disso tudo. No fim desse primeiro ato da história, o Hisao passa o festival junto com a respectiva garota por quem ele começou a desenvolver sentimentos românticos, ou então ele pode acabar ficando sem ninguém e resultando em um dos finais ruins do jogo.


Levando em conta que Katawa Shoujo é um projeto que começou no 4chan, eu creio que pelo menos uma boa parte das pessoas esperavam alguma história doentia que é uma mera realização de fantasia sexual de foder uma garota deficiente que só alguém de lá poderia ter. Mas a verdade é que esse jogo trata esse tema de deficiência física melhor do que praticamente qualquer outra coisa que eu tenha visto abordando isso até então.

Eu gostei de praticamente todos os personagens dessa história, até mesmo os secundários como a Yuuko, uma mulher meio desajeitada que trabalha na biblioteca da escola e numa casa de chá chamada Shanghai, o enfermeiro de Yamaku que foi baseado no Nurse-kun, um cara cego chamado Harry Pott- digo... Kenji... Ele é um maluco que estuda em uma classe diferente e é vizinho de quarto do Hisao, os diálogos com ele costumam ser engraçados porque ele tem uma espécie de paranoia com mulheres e pensa que todas elas são feministas malignas com um plano mestre obscuro pra dominar o mundo.

... Será que ele tá errado sobre isso?

Também têm vários outros personagens secundários, colegas de classe, professores, parentes dos personagens principais e o caralho a quatro. Mas os principais de qualquer forma são os mais interessantes, todos eles têm suas qualidades e defeitos como pessoas e se desenvolvem extremamente bem na maneira de lidarem tanto com suas próprias deficiências quanto com seus outros problemas pessoas que surgem no decorrer da história, é impossível não se apegar (ou até mesmo se identificar) a pelo menos um deles.

O Hisao começa compreensivamente deprimido já que ele não só teve que ir pra uma escola diferente longe de todo mundo que ele conhecia antes como também agora tem uma doença cardíaca grave, precisa tomar remédios diariamente nas horas certas pra não acabar morrendo. No entanto ele ao menos tenta se acomodar com essa nova vida, fazendo amizade com quem puder, tentando lidar com as diferenças gerais entre Yamaku e o "resto do mundo", crescendo como pessoa em si e aprendendo coisas novas. Eu vejo que tem gente que odeia ele por algumas atitudes que ele toma no decorrer da história e... Realmente, algumas vezes eu tive vontade de socar a cara dele. Mas isso é o que torna ele relacionável! Quem nunca fez/falou alguma merda antes e algumas vezes até se arrependeu quase instantaneamente depois? Ele é um ser humano, porra! Eu também sou, você também é, todos nós somos!

... Eu tô defendendo um personagem fictício como se fosse uma pessoa real. Bah, acontece.

Mas enfim, o Hisao é aquele tipo de personagem de bom coração (HA!) que tenta ser legal com quem ele tem consideração, realmente se esforça pra manter as relações que ele tem... Mas nem sempre ele toma atitudes exatamente corretas, acaba falando/fazendo merda em alguns momentos e, consequentemente, piora a situação. E como eu disse antes, isso torna ele um personagem humano, extremamente relacionável e bem desenvolvido na medida em que as histórias progridem.


As garotas também são incrivelmente carismáticas, apesar de algumas delas terem demorado um pouco pra realmente ganharem alguma atenção positiva vinda de mim. A Shizune por exemplo é uma que eu não gostei muito inicialmente, não por ela ser surda/muda e ser difícil se comunicar com ela no começo, mas porque... Eu não gostava muito dessa atitude "mandona" dela mesmo compreendendo o porquê disso já que ela é a presidente do Conselho Estudantil lá (que aliás é composto só por ela e a Misha) assim como é a representante da classe dela. E de fato, a Shizune é muito "estranha" inicialmente, no sentido de que ela ou parece que tá quase sempre irritada com algo, ou então ela quer arrastar o Hisao pro Conselho Estudantil de qualquer forma e quer competir sobre absolutamente tudo.

Mas com o tempo, na rota dela, ela vai ficando mais simpática enquanto o Hisao aprende linguagem de sinais pra poder se comunicar melhor com ela. Normalmente eu nem gosto muito desse tipo de personagem, mas a Shizune não é tão exagerada nem no lado "chato" e nem no lado "legal" dela, é perfeitamente crível e natural o modo como ela se desenvolve na história.

Por outro lado... A Misha foi uma personagem que por algum motivo eu não tive muita coisa contra no começo. E ela é aquele tipo de garota que parece que me irritaria violentamente: Ela fala alto num tom "irritante", ri de praticamente tudo, é excessivamente hiperativa e... Basicamente, a Misha é tudo o que eu costumo odiar em personagens hiperativas. Mas eu não sei por que eu não senti essa repulsa total com ela, não sei se é porque ela consegue ser amigável sem parecer obnóxia demais e até consegue ser bem racional em algumas partes. Ou porque eu acabei me simpatizando com ela na rota da Shizune... Sei lá, eu só sei que eu inexplicavelmente gosto da Misha, pena que não dá pra ter uma relação amorosa com ela aí.

A Hanako também foi uma personagem que demorou um pouco pra eu gostar... O que é meio engraçado porque foi justamente isso que me fez ficar interessado nela, inclusive a rota dela foi a primeira que eu completei. Ela é tímida pra caralho, tanto que a primeira conversa que o Hisao tem com ela é só uma breve troca de palavras que termina com ela falando "Ivegottodosomething!" e dando no pé como se fosse um cachorro de rua assustado. Claro, ela tem motivos pra ser assim, o fato de que metade do corpo dela é um bacon é um desses motivos, e ela com o tempo vai se abrindo um pouco na medida em que você joga a rota dela ou até a da Lilly. A Hanako chega a ser adorável em vários momentos do jogo e mesmo com as queimaduras eu ainda acho ela bem bonitinha pra falar a verdade, e talvez eu tenha gostado dela também por ela me lembrar uma amiga minha que é quase tão tímida quanto ela, apesar de não ter o corpo queimado, obviamente.

Então tem a Lilly que é meio que o oposto da Hanako: Consegue se dar bem com todo mundo (menos a Shizune), é extremamente formal, quase sempre mantém sua atitude calma e serena, não deixa a cegueira dela interferir nas suas atividades e é simplesmente fácil de se comunicar construir alguma amizade. É tão fácil de gostar da Lilly que a Hanako é a única pessoa da escola inteira com a qual ela tem alguma amizade, e isso é dizer um bocado levando em conta que outras personagens dizem ter tentado se aproximar da Hanako sem muito sucesso.

E se a Lilly não era sociável o suficiente... Tem a Emi que é ainda mais, porém ela é mais feliz e animada do que a Lilly enquanto não é maluca que nem a Misha... O que a torna uma espécie de meio-termo entre as duas... Mais ou menos. Mas sim, a Emi é uma garota alegre mesmo não tendo suas pernas, é a melhor corredora da escola toda, não tem nenhum problema em se gabar por isso e é provavelmente a personagem com o maior senso de humor do jogo e a rota dela é bastante divertida apesar de também ter seus momentos emocionais. Porque até mesmo a Emi tem algum aspecto horrivelmente triste que vai te dar vontade de querer entrar no jogo e abraçar ela de alguma forma.

E por último, mas com certeza não muito menos importante... A Rin, que é efetivamente a minha versão feminina.

... Não, sério, eu realmente fiquei surpreso quando eu interagi com a Rin pela primeira vez, porque ela age quase exatamente como eu na vida real: Ela não é muito sociável porque ela parece que não tem interesse em quase nada do que dizem pra ela, também é bastante confusa de conversar de vez em quando e gosta de questionar e arrumar uma lógica pra praticamente tudo, além de arrumar passatempos estranhos como deitar no chão e observar nuvens... Diabos, no próprio festival, ela simplesmente fica no canto dela lá ao invés de ir pro meio do povão e se divertir, exatamente como eu faço quando vou pra alguma festa ou coisa do tipo.

É... Eu sou meio que patético. Tão patético que a Rin ainda tem a vantagem de ter um dom pra arte e conseguir pintar só com seus pés já que ela não tem braços, enquanto isso eu só sou bom em jogar video games e nada mais.

Então, eu nem preciso falar que a Rin é a garota que eu mais gosto nesse negócio, não só por eu me identificar com ela, mas também porque a rota dela no geral é de longe a mais impactante do jogo todo. Ela é cheia de momentos tristes e até frustrantes porque o Hisao não consegue se entender com ela por parte do tempo, mas acredite... Vale a pena passar por tudo isso, até os finais são bons.

"Que anime é esse?"


Foi a pergunta que minha prima me fez quando eu tava jogando Katawa Shoujo e assistindo uma das animações de "Act 2" do jogo. Essencialmente, cada uma das personagens tem uma dessas animações que sinalizam que você entrou na rota dela depois das escolhas que você fez no Act 1. E essas animações são muito bem feitas por sinal, tanto que elas são sim facilmente confundidas com algum anime de verdade se por acaso forem vistas fora de contexto.

O que me faz gostar dessas animações é como elas meio que resumem as histórias das rotas, mostrando os pontos mais "marcantes" delas e simbolizando os conflitos internos pelos quais as personagens se passam. Só que isso é feito de modo que não spoileie o jogo e sim deixe a  rota em si com um ar de mistério pra quem estaria jogando Katawa Shoujo pela primeira vez. Eu mesmo só fiquei mais curioso depois de ver cada animação quando entrava nos Acts 2 depois de efetivamente conseguir ter afinidade com alguma das garotas aí.

E a parte mais legal é que quando você assiste essas animações depois, já tendo terminado o jogo e tudo, você fica com aquela reação de "Ahhhh! Agora eu entendo isso!". Antes que você diga, eu sei que Katawa Shoujo não é o primeiro jogo a fazer isso e mais uma porrada também faz isso pelas aberturas, mas aqui é mais efetivo porque a história é o foco principal e nem todas as aberturas se arriscam a mostrar muuuuita coisa também.


Fora as animações, os personagens também têm "sprites" como em basicamente qualquer Visual Novel ou qualquer jogo que não seja 3D. E os sprites são mais pra mostrar as emoções dos personagens em questão: Se eles estão alegres, tristes, bravos, irritados, chorando, rindo... E por aí vai. Esse jogo não é conhecido por ter a maior variedade de expressões que existem pros personagens, mas pelo menos os sprites e os cenários são muito bem desenhados e detalhados, além de que as expressões são numerosas o suficiente pra fazerem o seu trabalho sem problema algum.

Outra coisa são as CGs que também são ótimas e tem uma porrada de variações dependendo da situação e do assunto do momento. Apesar que tem uma certa inconsistência quanto ao modo como alguns personagens são desenhados nelas em comparação com seus sprites, mas não é nada muito gritante também de qualquer forma. Os visuais do jogo no geral são bem feitos, mesmo os cenários que parecem meio desenhados por cima através de imagens no Photoshop têm o seu charme.

Pegue seu lenço e se prepare pra usar ele


Como você já deve imaginar... Katawa Shoujo é uma Visual Novel, o que significa que não é exatamente um jogo com muito "gameplay" propriamente dito. Mas nesse caso é realmente quase ausente, não existem minigames e nem nada, somente a história, os textos, os personagens interagindo entre si... E as escolhas que você faz no decorrer da história que afetam como a mesma vai se desenrolar, na maioria das vezes. Porém funciona de uma maneira convencional e intuitiva o suficiente pra você saber qual é a opção certa e qual não é.

A história vai sempre começar no Act 1: Life Expectancy, no qual Hisao entra em Yamaku como um novo aluno e precisa se adaptar ao novo ambiente e aos novos tipos de pessoas que ele encontrará pela escola. Com ele se introduzindo pra classe, conhecendo a Shizune e a Misha de uma maneira meio desajeitada, depois conhecendo a Lilly quando ele queria procurar a biblioteca e acabou entrando na sala dela por acidente, e após chegar na biblioteca com a Lilly, ele encontra a Hanako que acaba dando no pé, e então em outro dia ele tromba com a Emi e conhece a Rin quando vê ela sozinha comendo na sala de artes. Esses basicamente são os encontros "inevitáveis" com as garotas com quem dá pra se ter um relacionamento nesse jogo.

Apesar de interagir com todas elas no Act 1, você vai ter que abrir mão de uma pra poder interagir mais com a outra e assim continuar fazendo as escolhas certas pra consequentemente entrar na rota dessa. Por exemplo, se você quiser entrar na rota da Shizune, vai ter que ficar mais com ela e a Misha quando lhe forem permitidas as escolhas, como quando o Hisao tá na sala dele e então ele vê a Hanako sozinha lá. Você tem a opção de ir falar com a Hanako, o que te bota mais próximo de pegar a rota dela ou da Lilly, ou então você pode esperar a Shizune e a Misha chegarem e assim ficar mais próximo de pegar a rota da Shizune... Ou você pode simplesmente ignorar tudo e assim o Hisao apenas continua lendo o livro que ele pegou da biblioteca sem dar uma foda pra nada... O que deve te levar mais próximo da rota da Rin ou da Emi, ou então ao final ruim do Act 1.

Mas não é só isso, você tem que ser consistente com as suas escolhas: Se o Hisao mantiver interesse em correr por aí e fazer exercícios, ele vai ter mais afinidade com a Emi e entrar na rota dela, mas se ele tiver mais interesse em artes, ele vai ficar mais próximo da Rin e entrar na rota dela. Apesar que nem todas as escolhas que você faz nisso tudo são muito relevantes, algumas só mudam uns diálogos e cenas que ocorrem na história, porém nada que afete muito como ela vai se desenrolar.

E se por acaso você fizer alguma escolha errada, você vai acabar pegando o final ruim, tanto o do Act 1 como os finais ruins ou neutros das outras rotas... Apesar que as únicas rotas que têm finais neutros são as da Rin e da Hanako, mas ok... O resto delas têm um final bom e outro ruim, isso é o que você precisa saber!

Como eu disse antes, a maioria das escolhas são bem intuitivas, você deve saber qual é a melhor/pior simplesmente através do seu bom senso ou então simplesmente por lógica. Por exemplo... Se você for White Knight demais com a Hanako durante a rota dela, ficar tratando ela como se fosse uma pessoa fraca que precisa de proteção por ser tímida demais e ficar se preocupando excessivamente com ela ao invés de simplesmente deixar que ela se abra pra você sozinha, provavelmente você vai receber o final ruim que é uma bela paulada no rabo de qualquer White Knight de verdade por aí.

Apesar que algumas escolhas me pegaram de surpresa, como por exemplo a famosa "Comfort Misha" lá na rota da Shizune... É, quem já jogou isso antes entendeu, e quem não jogou... Jogue e veja por si mesmo.

E o "gameplay" de Katawa Shoujo é resumidamente isso: Ler textos, fazer escolhas, olhar imagens e ler mais textos. Então ao invés de encerrar isso aqui, acho que eu vou falar um pouco mais de como as histórias em cada rota progridem e o que eu acho de cada uma... Pode ser que tenham spoilers leves aqui, então se você nunca jogou Katawa Shoujo antes, melhor nem ler o que tem abaixo e pular direto pra parte das músicas.


Basicamente, cada uma das rotas são sobre os personagens principais superando seja lá qual for os seus problemas e assim conseguindo viver em uma relação felizes para sempre... Ou pelo menos felizes até o Hisao morrer por causa da Arritmia dele, mas tudo bem, finja que eu não fiz essa piada desnecessariamente cruel e insensível.

Pessoalmente, minha rota favorita é a da Rin, em parte porque ela me tocou em um nível pessoal... Como eu disse antes, a Rin é meio que a minha versão feminina, então eu meio que compreendo a maneira como ela age e como ela se sente tanto consigo mesma quanto com os outros, assim como também eu tive a oportunidade de enxergar algo assim do ponto de vista de uma outra pessoa. A história da Rin é justamente sobre conflitos emocionais, mentais e auto-aceitação, ela tem um dom pra arte e o professor dela vive tentando empurrar ela pras grandes exibições de artes pra que ela siga uma carreira.

Porém existe o problema de que a Rin não é uma pessoa muito auto-confiante ou sociável, de fato ela sempre passa a imagem de ser uma pessoa sem emoção que só dá respostas curtas ou até mesmo inúteis pra quando o Hisao ou teoricamente qualquer pessoa tenta falar com ela. Essa forma estranha e confusa de se expressar da Rin e a ansiedade social [?] dela são dois pontos-chave da história que afetam não só a relação dela com o Hisao que é até frustrante em alguns momentos por ele não se entender muito bem com ela mas também são os maiores obstáculos que ela precisa superar pra aceitar essa mudança de vida e criar obras que a levem pro sucesso. O resultado disso é uma penca de cenas emocionais e brigas ocasionais entre Rin e Hisao, que se esforça que nem um burro de carga pra conseguir manter sua relação com ela... Enquanto ela não sabe expressar muito bem seus sentimentos pra ele e no fundo teme a possibilidade de ficar sozinha.

Isso tudo me lembrou de uma época na escola quando eu tinha uns 16 anos de idade e sempre escrevia histórias malucas nas aulas de literatura, histórias que me vinham na cabeça relacionadas aos temas que a professora passava ou temas livres... Eu já era e ainda sou uma pessoa ridiculamente difícil de socializar, prova disso é que eu tenho no máximo um ou dois amigos sobrando aqui na vida real mesmo, e ainda assim esses eu raramente os encontro por aí. A maioria das pessoas acabavam ou me largando porque eu sou "estranho" ou então brigando comigo por um monte de motivos.

Essas histórias que eu escrevia nas aulas de literatura eram uns negócios meio fantasiosos que faziam mais sentido na minha cabeça e a professora ficava meio que fascinada e pedia pra eu explicar enquanto o resto do povo da minha sala de aula ficava meio confuso... E então eu não conseguia explicar de uma forma satisfatória, como se eu nem ao menos soubesse o que me levou a escrever tais coisas. Eu só não me lembro de nenhuma em particular, porque eu parei com o tempo e perdi esse "dom" de usar a imaginação criar histórias bizarras e nem fiz questão de recuperá-lo também. A professora de literatura chegou a mostrar uma pra de português e ela dizia que conhecia um cara que podia me ajudar a ser um escritor de verdade, ganhar dinheiro com isso e tudo, mas eu recusei a oferta porque não me senti pronto pra algo assim tão cedo. Nem sei se eu realmente deveria divulgar essas coisas pro resto do povo, especialmente quando nem eu mesmo sabia explicar o que a maioria delas significavam exatamente.

E pra completar as similaridades, eu tinha uma amiga na escola que era próxima de mim e acabou eventualmente brigando comigo porque eu não-intencionalmente tratava ela com uma certa indiferença e isso meio que repeliu ela de mim. É... Basicamente eu me senti uma merda por isso em um bom período de tempo sem poder fazer muita coisa pra mudar porque eu naturalmente sou desse jeito e o que eu sou hoje em dia é meio que um reflexo de tudo isso: Indiferente, sem interesse particular em quase nada e usando video games como algum tipo de escapismo porque é a única coisa que eu sinto que consigo fazer direito e ter alguma ligação com.

Isso de brigas e tal já aconteceu outras vezes, mas jogando a rota da Rin em Katawa Shoujo eu não só presenciei uma história incrível e madura como também acabei vendo como outra pessoa lida com o meu próprio problema social. Depois de jogar essa rota, eu fiquei pensando se eu deveria mudar alguma coisa, se eu poderia me tornar alguém "decente" mesmo com essas barreiras... E mais uma caralhada de coisa que provavelmente não é interessante pra você, perdão por ter acidentalmente saído do assunto do jogo e entrando em um pessoal meu.

Acho que isso serve pra mostrar o quanto isso me impactou, mas enfim... Vou falar das outras rotas agora.


A história da Lilly, por ser a mais longa do jogo todo, é provavelmente a melhor desenvolvida. Os dois nunca têm muita dificuldade pra interagirem um com o outro porque a Lilly não é tão "problemática" quanto as outras personagens aqui, as maiores dificuldades quanto a manter essa relação são relacionadas à família da Lilly e a descendência dela. Resumidamente: É uma história sobre superar a distância em um relacionamento, sobre o quão longe uma pessoa pode ir pra ficar junto da sua "cara-metade" pra sempre. Pelo menos em uma obra de ficção isso é uma mensagem bem bonita, mas sabemos que na vida real isso é bem mais difícil de se fazer... Talvez seja esse o motivo de eu não ter me apegado taaaanto assim à rota da Lilly, apesar de bonita, ela meio que me trouxe memórias ruins sobre relacionamentos à distância e tal.

No entanto, eu gosto do fato de que nessa rota você ainda interage com todas as outras garotas, principalmente a Hanako, ela se desenvolve de uma maneira diferente aqui em comparação com a própria rota dela, o que faz sentido considerando que ela é bem próxima da Lilly. Mas você ainda tem alguns momentos legais onde a Emi, a Rin e a Shizune também aparecem nessa rota, não com a mesma "importância" com a Hanako, mas o suficiente pra não parecer que o Hisao simplesmente se esqueceu delas como acontece quando você entra na rota da Emi, da Shizune ou da Rin e parece que as outras garotas não existem mais.

Também gosto de como a condição cardíaca do Hisao é um ponto importante da história assim como até o próprio relacionamento passado dele com a Iwanako tem uma espécie de peso aqui. Talvez a rota da Lilly seja a mais "completa" e até tenha o melhor final, mas apesar de gostar dela, continuo preferindo a da Rin e talvez a da Hanako...

E então entra a rota da Hanako, que foi a primeira que eu cheguei a jogar nisso aqui... Essa rota me deixou meio irritado em alguns momentos, mas eu entendi a intenção dos escritores de criar uma história sobre encarar o seu passado e superá-lo definitivamente, como se fosse uma cicatriz que deveria sarar com o tempo enquanto você trata dela. A Hanako começa como uma garota excessivamente tímida que não consegue nem falar um "A" direito sem gaguejar e aparentemente ninguém além da Lilly conseguiu muito resultado tentando interagir com ela. E é meio difícil interagir com ela por causa disso, a maioria das conversas inicialmente são desajeitadas e parece até que ela tem medo do Hisao.

Mas aos poucos a Hanako começa a se abrir, apesar de ela nunca deixar de ser tímida pra caralho, ao menos ela começa a ir por esse caminho. A cena onde o Hisao também se abre pra ela sobre a consequência o seu próprio problema cardíaco e depois ela resolve fazer o mesmo é bem emocional, a cena de sexo entre os dois talvez seja meio estranha, mas faz sentido considerando que naquele momento nenhum deles tinha muita experiência nisso.

O problema pra mim é que essa rota não é longa o suficiente, ela praticamente termina quando o Hisao e a Hanako realmente começam um relacionamento enquanto na maioria das outras isso acontecia mais cedo e então a relação em si era mais explorada. Ainda tinha o problema da timidez da Hanako sobrando, que eu sei que é bem provável que ela nunca resolva porque um trauma como esse do passado dela é meio que difícil de lidar... Mas eu queria ver ela pelo menos conseguindo se sentir mais confortável no meio de um público, porque um tempo antes tem uma cena onde ela resolve tentar fazer um trabalho em grupo na escola e as coisas não dão muito certo. Não me entenda errado, eu gosto dessa rota do jeito que ela saiu, eu só queria mais porque eu realmente gostei da Hanako e do desenvolvimento dela, mas eu queria uma conclusão mais definitiva como o final da Lilly.

Eu até acho que a versão beta desse jogo faz um trabalho melhor na rota "boa" da Hanako do que a versão final quanto a isso... Mas a beta não é um assunto no qual eu devo me aprofundar muito aqui, quem sabe depois eu faça um post separado sobre a beta e as diferenças entre ela e a original.

Agora falando sobre a rota da Emi... Eu honestamente achei ela a mais decepcionante desse jogo. Não necessariamente a pior, mas sim a mais "vanilla" delas. Como uma história em si, ela também é bastante bonita e explora esse tema de carregar fardos do passado e encarar a realidade assim como mostra um lado da Emi que eu nunca imaginei que tivesse vendo ela por outras rotas. Acontece que essa rota, apesar de divertida por ser a mais leve e humorosa delas, é bastaaaante previsível...

Veja bem: O Hisao acaba ficando mais próximo da Emi porque os dois sempre se encontram na pista de corrida pra ele fazer os exercícios que o enfermeiro recomendou pro coração dele e ela não só corre por si mesma como também supervisiona esses exercícios. Então certo dia, o Hisao conversou com a Emi e ela ficou meio triste pela simples menção ao pai dela, assim como a própria mãe dela também ficou e quando o Hisao perguntou sobre ela respondeu "Ele... Não está mais por aqui". Conecte os pontos... É meio óbvio o que aconteceu com o pai da Emi, não é mesmo?

Bem, não pro Hisao! Ele fica tentando chegar ao fundo disso mesmo que seja ridiculamente óbvio, e o pior é que o que aconteceu é exatamente o que eu imaginava que fosse acontecer! Levando em conta que esse jogo tinha me surpreendido até então, eu tinha uma pequena esperança de que talvez fosse algo diferente, mas parece que não... O Hisao é meio burro nessa rota, burro pra caralho aliás.

Mas ok, chega de falar mal da rota da Emi, eu gosto dela apesar disso, a relação do Hisao com a Emi é estranhamente divertida de acompanhar porque eles parecem se combinar melhor do que a maioria dos outros casos. E, ainda que previsível, essa história toda do pai da Emi e como ela foge desse passado ao ponto de querer afastar quem fica próximo dela ao invés de tentar encarar e superar isso definitivamente, sem ter mais pesadelos e nem nada relacionado a isso. É uma boa história, eu só fiquei meio decepcionado porque ela faz muito mistério pra algo tão óbvio, mas ainda é bem escrita e apelante da sua própria forma.

Por último vem a rota da Shizune... Que é a que eu considero realmente a pior desse jogo, mas não por ela ser muda, até porque de qualquer forma o Hisao aprende linguagem de sinais pra poder se comunicar com ela, então não vejo qual o problema disso. Mas acontece que o relacionamento do Hisao com a Shizune meio que parece artificial, como se eles não se combinassem tanto assim e então a impressão que isso acaba me dando é que eles só têm uma espécie de "amizade colorida". Tudo bem, eu gosto da história em si apesar de ela ter uns momentos chatos, mas ela é bem diferente das outras e aborda mais um tema relacionado a laços de amizade e crescer como pessoa, inclusive gosto do final por ser bem realista e relacionável apesar de um monte de gente odiar.

... Ok, eu não gosto da rota da Shizune porque ela não tem tantas escolhas quanto as outras e a única escolha que tem é uma que eu realmente odeio porque as duas opções são idiotas pra caralho. Sim, é a parte do "Comfort Misha", eu realmente achei uma merda o modo como isso progride... Ok, fora esse problema, eu gosto da rota da Shizune, só não tanto quanto as outras mesmo.

Na verdade isso tudo é bem subjetivo, você provavelmente pode acabar gostando mais da rota da Shizune por motivos pessoais assim como eu gosto da Rin, ou de qualquer outra garota pra esse caso. O importante é que todas as rotas aí são bem escritas... Na maioria das vezes.

As músicas complementam tudo


Não muito surpreendentemente, Katawa Shoujo não tem uma dublagem, logo eu não vou poder avaliar algo que não está presente no jogo. Porém eu posso falar dos efeitos sonoros, eu acho... E pelo menos nesse departamento o jogo faz muito bem, existem uma porrada de efeitos sonoros: De multidões caminhando/conversando, qualquer tipo de colisão, batimentos cardíacos do Hisao, as próteses da Emi enquanto ela corre, praticamente tudo mesmo. E os efeitos sonoros em si são bem convincentes quanto ao que eles representam... Apesar que normalmente eu não costumo reclamar muito dessa sonoplastia em jogos porque é meio difícil fazer algo ruim com isso nesses tempos atuais, a menos que seu jogo seja Ride to Hell.

Porém o ponto principal do som, esperadamente, é a trilha sonora, e a desse jogo é absurdamente bonita. Não, não é bem "música de video game", se você tá aqui esperando músicas agitadas, orquestras épicas e coisas do tipo, provavelmente você não vai ficar feliz com isso. Eu classificaria a OST aqui como algo mais melancólico que você escutaria em algum tipo de filme de romance ou até mesmo novelas, as músicas em maior parte são movidas a piano, violino e ocasionalmente tem algumas mais agitadas com batidas e tudo, porém as que se destacam mais são as primeiras mencionadas.

As músicas combinam perfeitamente com as cenas, especialmente as mais tristes como a Moment of Decision ou a Innocence que são as minhas duas favoritas da OST toda. Cada uma transmite bem a sensação que você deveria sentir em tais momentos do jogo ao mesmo tempo que são memoráveis por si só. Talvez não seja uma OST pra todo mundo, mas pra mim funcionou muito bem.

Considerações finais

Pois é... Katawa Shoujo é mais um daqueles jogos que me fizeram queimar a minha língua e socar meu preconceito com certos aspectos de jogos bem no meu rabinho. Apesar de não ser perfeito, eu realmente aplaudo esse jogo por tomar essa decisão ousada de abordar um tema tão polêmico quanto deficiências físicas e ter uma história bem escrita que o trate de uma forma surpreendentemente madura com personagens que transbordam carisma, situações realísticas e uma mensagem que tanto eu quanto qualquer outra pessoa pode absorver.

Pode até não ser pra todo mundo, se você não gosta de jogos "parados", Katawa Shoujo provavelmente não vai te agradar. Mas pra qualquer pessoa que ainda não jogou isso e aprecia enredos em video games,eu recomendo fortemente, foi uma experiência diferente de qualquer outro jogo ou Visual Novel que eu já vi até então. E apesar de eu pensar que Katawa Shoujo é aquele tipo de jogo que "só existe ele próprio" e nenhum outro provavelmente vai replicar a mesma sensação, eu realmente espero encontrar mais jogos assim por aí que me façam enxergar outros assuntos de outras formas assim como esse da deficiência física.

Pra quem realmente acha que video games só servem pra "tornar pessoas violentas" e não poderiam nem em sonho ser usados também pra passar mensagens, fazer as pessoas refletirem e até talvez melhorarem como pessoas em si... Tá aí mais um jogo que prova que esse papo não passa de um monte de tourobosta.

... E ele veio do 4chan de todos os lugares possíveis!

Prós:
+ Uma das histórias mais maduras e envolventes que já vi em um jogo.
+ Não é todo jogo que me faz gostar de todos os personagens principais.
+ Fator replay alto.
+ Sprites, CGs e cenários muito bem desenhados.
+ Cutscenes em anime tão bem feitas quanto qualquer outro anime de verdade por aí.
+ Trilha sonora excelente.

Contras:
- O ritmo da história é um pouco lento e o jogo pode ficar meio tedioso em alguns momentos por isso.

Gráficos: 8/10
Enredo: 9/10
Gameplay: 7/10
Som: 9/10
Conteúdo extra: 7/10

Veredicto:

{ 64 comentários }

  1. Caralho, q post gigante

    To lendo ainda peraí

    ResponderExcluir
  2. JOGO DE OTAKU ISSO AÍ

    JOGO DE OTAKU

    RYU OTAQUINHO DE MERDA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Escuta aqui seu filho da puta, qual é a tua hein? Você ta querendo ganhar troféu de bunda do ano? Escuta, vai se fuder. Sim, vai se fuder mesmo. Eu não sei o que tu quer, talvez ce num queira nada, seja lá o que for, te foda, engole uma piroca. Farei questão de fode-lo no que eu for capaz. Cuzão. Uma piroca no teu rabo.

      Excluir
    2. OTAKUZINHO NÃO TEM DIREITO DE RESPOSTA

      Mas falando sério eu não sabia que tu jogaria um jogo desse tipo

      Excluir
    3. Eu não sou de jogar Visual Novels, isso aí foi só uma exceção porque eu não tinha mais nada pra fazer quando peguei pra jogar.

      Excluir
    4. Seu BAKA! Tu não sabe o que é SUGOI e fica por ai falando SHITE!

      Tomara que voce SHINU e que sua alma vai para o JIKOGU para ter HENTAI com um YOKAI!

      (-w-)

      .... Que diabos aconteceu comigo? Aonde estou? Quem sou eu?

      Excluir
    5. RYU-SENPAI NOTICE ME

      Excluir
    6. Ce não sabe? O Ryu sempre teve um lado otaku. :3

      Excluir
    7. Mentira, para de mentir que isso é feio.

      Excluir
    8. Ryu-san! Esfregar janela, encerar chão!

      Excluir
  3. >mcq joguei esse jogo e fiquei deprimido pq a Emi me lembrou de uma mina que eu namorava na escola

    ResponderExcluir
  4. Eu nunca joguei essa VN, mas tenho um amigo que é muito fanboy e a rota que ele mais gosta é a da Shizune. :v

    ResponderExcluir
  5. Amo KS, principalmente a rota da Rin! <3

    E você não precisa ficar preocupado com sua maneira de agir, Ryu, todo mundo encontra seu lugar no mundo, você ainda vai encontrar o seu.

    Que bom que você gostou, se quiser jogar outra novel eu recomendo Clannad. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não me incomodo mais tanto quanto eu me incomodava antes com isso, caso contrário eu provavelmente nem iria querer falar muito sobre nesse post... Mas obrigado de qualquer forma.

      Já me falaram antes sobre Clannad, mas eu realmente não costumo jogar Visual Novels, então teria que ser mais uma ocasião especial mesmo.

      Excluir
  6. Ok Ryu to convencido a baixar esse jogo, manda uns torrent ae

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tá de graça lá no site oficial mesmo.

      http://www.katawa-shoujo.com/download.php

      Excluir
  7. Acredita se eu te falar que o meu primeiro final foi o ruim do act 1? Eu resolvi não contar pra Lilly sobre a condição cardíaca do Hisao porque pensei que não era a hora certa, então acabei ficando sem ninguém no festival e indo beber no teto com o Kenji.

    Eu demorei pra entender o que aconteceu no final, foi triste e engraçado ao mesmo tempo, yep.

    A primeira rota de verdade que eu peguei foi a da Emi, acho que ela é a minha favorita por isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu só consegui o final ruim quando eu fui tentando ver o que acontecia se eu pegar outras alternativas. Por exemplo essa de não contar sobre o problema cardíaco pra Lilly e uma outra de chutar a Misha e a Shizune pra fora do seu quarto por elas estarem xeretando seus remédios.

      Achei ele meio idiota, mas acho que faz sentido... Apesar que eu queria um tipo de rota onde o Hisao não chega a ter nenhum romance com nenhuma delas, mas interagia com todas e ajudava elas de uma forma ou de outra.

      Excluir
    2. ISUEHUISAHEIASHEIUASHEIUHSAEIU o final do "manly picnic" é épico.

      Excluir
  8. Decepcionado por não existir uma rota da Misha

    ResponderExcluir
  9. O Ryu falando sobre uma visual novel...

    OK, acho que vi de tudo.

    ResponderExcluir
  10. Achei esse post lindo, cara. ;-;

    Até fiquei feliz por ter te recomendado KS, uma parte de mim pensou que você não ia gostar muito *coff coff*pq vc é chato*coff coff*, mas parece que felizmente foi o contrário.

    ResponderExcluir
  11. Fica fazendo review de VN e nem se lembra do dia que você fica um ano mais próximo de morrer.
    Parabéns por aqui tbm Undead aka: Ryu1908

    ResponderExcluir
  12. Comecei a jogar e quis me apresentar ao invés de deixar o professor fazer. Faz alguma diferença essa escolha?

    Ah, e feliz aniversário, Ryu. /o/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nope, não faz muita diferença nessa escolha.

      Excluir
  13. Deve ser a primeira vez que eu te vejo falando alguma coisa sobre a sua vida pessoal aqui, Ryu, eu não esperava isso. Fiquei interessada nesse jogo, se ele mexeu tanto com você, deve ser algo que valha a pena experimentar.

    Eu sei que a gente já se desentendeu e brigou por vários motivos, mas eu quero que você saiba que pra mim não tem nada de errado com você e eu vou ficar do seu lado independente do que acontecer.

    Feliz aniversário. <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem... Achei que eu ia me sentir mais confortável falando desse jogo assim, eu não conseguia arrumar outra maneira de me expressar e dizer como ele me tocou.

      Mas ok, apesar de eu estar meio sem resposta... Obrigado.

      Excluir
  14. Hey man, esse posto foi bem legal, eu acho que o mais Dahora foi você ter falado um pouco da sua vida e de seus problemas , isso mostrou seu "lado mais humano" pois 90% das vezes nos seus posts voce parece impassível, com uma opinião definida pra tudo e parece que nada vai te abalar.
    Eu sou muito fã seu, tomando um abraço e mesmo que você tenha 2 ou 3 amigos "in real life " ainda tem vários amigos e companheiros leito do seu blog , como eu e um monte de gente que quer apenas seu sucesso ^^. By: L

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por incrível que pareça, esse post foi difícil de fazer porque eu não sabia falar direito sobre o jogo em si como uma experiência pessoal minha, então acabei envolvendo parte da minha vida pessoal aqui ainda que "sem querer". Isso de parecer impassível é mais um personagem que eu mantenho aqui no blog, é uma mistura disso com o modo como eu realmente penso, mas a diferença é que eu me sinto mais confortável falando sobre jogos porque é um assunto com o qual eu tenho mais afinidade.

      Mas obrigado pelo apoio.

      Excluir
  15. Acompanho o blog desde 2010 e esse pra mim foi o melhor post até agora.

    ResponderExcluir
  16. Ei Ryu, sabia que o final bom da Rin é na verdade um sonho e o neutro é o verdadeiro?

    http://i.imgur.com/JkDBLpL.jpg

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara... Eu já tô deprimido o suficiente do jeito que eu tô, por obséquio, não me faça ficar mais ainda.

      Excluir
  17. Terminei a rota da Hanako, gostei tanto dela que não sei se tenho coragem de fazer as outras rotas e deixar a Hanako sozinha. ;-;

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jogue a rota da Lilly então, a Hanako também participa dela e até se desenvolve também de uma maneira diferente.

      Excluir
    2. Okay, vlw pela dica

      Excluir
  18. A melhor música é a Moment of Decision

    ResponderExcluir
  19. Esse jogo é lindo, que bom que você deixou o preconceito de lado e deu uma chance :)

    ResponderExcluir
  20. Chorei que nem uma menininha com esse treco

    ResponderExcluir
  21. Outras VNs pra você ler quando animar:

    Clannad
    Fate/Stay Night
    Steins;Gate (minha fav, se falar mal eu bato)
    Narcissu
    If My Heart Had Wings
    Grisaia no Kajitsu
    Yume Miru Kusuri
    Kana Little Sister

    Se quiser procurar por outras, olha esse site: https://vndb.org/

    A maioria dessas são muito mais longas que KS, mas vale a pena mesmo se for ler aos poucos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, vou começar pelas mais curtas quando meu PC voltar, depois olho esse site.

      Excluir
  22. Li a VN toda e achei a Shizune a best grill, pena que ela tem a pior rota, nada interessante acontece nela.

    Mas me rendeu um avatar novo, então blz

    ResponderExcluir
  23. Na minha opinião a pior rota é a da Hanako, achei ela muito hipócrita, quer ser tratada como uma pessoa normal e ao mesmo tempo fica se fazendo de patética o tempo todo e incentivando o Hisao a tratar ela como frágil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha... Eu não sei explicar direito esse comportamento dela, mas acho que é algo involuntário mesmo, a Hanako não é muito comunicativa e o que fez ela gostar do Hisao pra início de conversa foi que nos primeiros Acts da rota ele tava tratando ela normalmente. Só achei que o Hisao tava sendo um palerma do caralho por não perceber que ela gostava dele, tava muito na cara logo no Act 2 quando ele diz algo tipo "Nós somos amigos, certo?" e ela responde "Sim, amigos..." com uma cara triste.

      Excluir
  24. lembro que na minha primeira vez jogando tentei pegar a rota da rin mas acabei na da emi,ta ai o motivo de nao gostar da emi kkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, a Emi é legal, eu também tinha entrado na rota dela por acidente, mas acabei gostando um pouco mais dela quando terminei.

      A Rin ainda é objetivamente a melhor garota no entanto.

      Excluir
  25. EU VOU ME CASAR COM A LILLY

    ResponderExcluir
  26. Sou só eu que interpretei o final bom da Lilly como se o Hisao tivesse morrido com o ataque cardíaco que ele teve enquanto perseguia a Lilly no aeroporto? ._.

    O modo como tudo é contado faz parecer que os últimos momentos da vida dele foram lá na cama do hospital, ele diz que o seu corpo se rende ao cansaço e fecha os olhos. Pra mim isso pareceu uma implicação de que ele morreu e a Lilly visitar ele no hospital com ela ficando lá ao invés de viajar, os dois andando em campos verdes que nenhum dos dois parecia saber que existiam perto de Yamaku, tudo acabando bem no final era a versão dele do paraíso.

    Eu acredito nisso porque toda a história em todas as rotas era realista, todos os personagens passam por problemas e situações que são críveis pra alguém também passar no mundo real, algumas coisas dão certo e outras dão errado. Mesmo nos finais bons, existe um ar de incerteza se vai realmente ficar tudo bem, principalmente nos finais da Rin, da Hanako e da Shizune. O final bom da Lilly pareceu idealístico demais, era tudo muito perfeito pra ser verdade com aquele ar de "e viveram felizes para sempre" dele, nem o final bom da Emi que é o mais feliz dos outros é desse jeito.

    Mas é só o que eu acho, não quero arruinar a rota da Lilly pra ninguém não. =P

    Anyway, obrigado por ter feito esse post, Ryu, eu nunca teria baixado e jogado KS se não tivesse lido ele. Já ouvi falar sobre o jogo antes, mas não tive interesse em ver como é, isso até eu ver que até você jogou e pareceu ter gostado, ou mais, se abriu um pouco mais aqui depois de jogar, isso me deixou muito intrigado porque você nunca me passou a imagem de ser muito emocional.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Primeiro me dizem que o final bom da Rin na verdade era um sonho, agora me dizem que o final bom da Lilly na verdade não é real porque o Hisao morreu no hospital... Por que as pessoas são tão cruéis? Vocês não podem simplesmente aceitar que os outros podem viver felizes para sempre com as suas waifus sem nenhum tipo de teoria doentia dizendo que esse final feliz é uma mentira???

      Falando sério, isso é esquisito... Eu acho que vou dar uma olhada no final bom da Lilly de novo só pra ter certeza se realmente dá essa impressão, porque já faz um tempo que eu não rejogo Katawa Shoujo e a rota que eu mais lembro é a da Rin por motivos óbvios. Quando eu chegar em casa, vou olhar isso tudo direito pra ver se essa teoria procede, é meio interessante apesar de sombria demais, que nem a do final bom da Rin ser um sonho.

      E... Não tem de que, eu acho. Quando eu criei esse post, eu queria que mais pessoas jogassem Katawa Shoujo mesmo, e não só você como alguns outros amigos meus da internet jogaram, então fico feliz que eu tenha alcançado meu objetivo ao menos.

      Excluir
    2. Porque "final amargo" é Edgy, e criativo.

      .... Acontece é que todo mundo faz esses tipos de finais hoje em dia, e eles agora são mais cliches que os "felizes para sempre".

      Excluir
    3. Oloco, eu nunca enxerguei o final dessa forma...

      Fui olhar na library e peguei as últimas cenas da Lilly, é tudo bem ambíguo mesmo, mas acho q fizeram isso de propósito pra quem ler interpretar como quiser.

      Excluir
  27. "Eu até acho que a versão beta desse jogo faz um trabalho melhor na rota "boa" da Hanako do que a versão final quanto a isso... Mas a beta não é um assunto no qual eu devo me aprofundar muito aqui, quem sabe depois eu faça um post separado sobre a beta e as diferenças entre ela e a original."

    Faça, eu fiquei curioso e to com preguiça de ver os vídeos de 20+ minutos da beta que tem por aí

    ResponderExcluir
  28. Esse jogo pelo que me parece, vai ser um jogo que eu vou gostar de jogar, me entediar no meio e ir jogar TF2, depois voltar a jogar num dia sem internet e ter feels jorrantes, só que o link ta quebrado

    ResponderExcluir
  29. Tem gente não achando a Emi a melhor garota em 2015

    Ela foi a única que se preocupou de verdade com a sua saúde e seu problema de coração, pense bem.

    ResponderExcluir
  30. Agora que eu realmente joguei isso, eu vou ser o cara esquisito e falar que gostei das rotas da Rin, da Emi e da Shizune, mas achei as rotas da Hanako e da Lilly muito chatas, quase igualmente uma a outra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Apesar da rota da Hanako ter ficado mais "estranha" pra mim com o tempo, ainda consigo gostar dela.

      Agora a da Shizune... Meh, eu gosto de umas cenas específicas, mas a rota toda nem tanto.

      Excluir
  31. Achei teu blog por acaso. Katawa Shoujo é foda. Hanako best girl <3. Já leu alguma fanfic de KS? Tem umas lá no fórum oficial que são fodas pra caralho principalmente a Sisterhood.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já ouvi falar dessa Sisterhood e umas outras fanfics pela internet também, mas ainda não consegui tirar um tempo pra ler direito.

      Excluir
  32. Num tem nenhum DLC pra esse jogo? Queria pegar a Miki. ):

    ResponderExcluir

- Copyright © Blog do Ryu - Date A Live - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -