Posts Populares:

Postado por: Ryu domingo, 24 de novembro de 2013


Alguém aí estava aguardando Assassin's Creed IV desde a época em que foi anunciado?

... Ninguém?

Foi o que eu pensei... Nem eu.

Piadas sem graça à parte, eu realmente não estava animadão com Assassin's Creed IV igual estava com o terceiro jogo quando vi o anúncio, o motivo principal do meu desinteresse para com esse jogo era pelo fato dele ter sido anunciado uns poucos meses depois do III, ao invés de eu soltar um "FODE SIM, PORRA, NOVO ASSASSIN'S CREED!", a minha reação foi exatamente "MAS JÁ VAI TER UM NOVO ASSASSIN'S CREED???", logo eu acabei me conformando com a triste realidade de que Assassin's Creed está virando uma franquia anual igual Call of Duty e outros cash cows por aí.

Tem quem poderia dizer que já tinha virado há tempos com a saga de Assassin's Creed II, mas eu discordo porque mesmo sendo anual, eles meio que montaram algo em cima da mecânica já estabelecida do II, Brotherhood e Revelations são mais como expansões de Assassin's Creed II do que jogos separados, e eu pessoalmente não vi algo errado com isso, apesar de não ter gostado tanto de Revelations... Se você não reparou, ele é o único Assassin's Creed que eu não analisei aqui, eu até queria, mas não tô muito animado e teria que jogá-lo de novo.

Voltando pra Assassin's Creed IV... Sim, ele me passou essa impressão e por isso não me animei tanto, mesmo com a temática de piratas e a aparente expansão do sistema de guerras navais de Assassin's Creed III que era uma das melhores partes de lá. Esse jogo foi anunciado no começo desse ano, o III mal tinha saído e tinha um final meio cliffhanger, então pensei que teriam "sagas" disso assim como foi com o segundo.

De qualquer forma., Assassin's Creed IV tá aí, eu só lembrei que esse jogo existia porque me perguntaram no Skype se eu ia fazer uma review dele, assim fui jogá-lo sem expectativas altas demais... E no que deu essa história toda? Assassin's Creed IV me surpreendeu e provou ser uma delícia de jogo? Foi uma bosta? Foi o novo GOTY OF THE YEAR?


Vamos pra esse território desconhecido atrás de espólios, então ergam a bandeira e avante, seus remelentos sacos de pulga! Vamos ancorar e desembarcar na ilha do jogo duvidoso!







Aye aye, capitão!




... Eu realmente preciso de uma namorada, não é mesmo?

Uma boa proposta com uma execução não tão boa assim


Essa história é meio que uma prequel de Assassin's Creed III... Então por que diabos o nome é "Assassin's Creed IV" como se fosse uma sequência? Porque... A história do passado que é a que realmente interessa se passa antes dos eventos do passado protagonizados por Connor em Assassin's Creed III, mas a história do presente pra qual ninguém liga, se passa exatamente depois da história do presente do último jogo, logo é uma sequência, mas como ninguém liga pra essa merda, esse jogo é uma prequel, e quem não gostar de me ver chamando esse jogo de prequel, que vá tomar Toddynho e chorar no seu canto.

Alguma objeção?
Não?
Foi o que pensei.

Eu acho que nem vou falar muito da história do presente porque sinceramente, não conheço ninguém que se importe com ela e ela só mostra que o pessoal da Ubisoft não está nem tentando torná-la interessante mais, o Desmond morreu no último jogo, os dados genéticos dele foram coletados, o que agora permite que qualquer um acesse as memórias dos ancestrais dele, daí o jogador controla um personagem aleatório que foi contratado pela Abstergo pra investigar as memórias dos ancestrais do Desmond e... Eu sinceramente até esqueci do que isso tudo se tratava pra falar a verdade, e não faço questão de lembrar também, como sempre, a parte da história no presente é monótona e desinteressante, mais do que nunca nesse jogo, agora foda-se o presente, vamos ao que realmente importa.

No passado, estamos no Caribe, na era de ouro dos piratas, com navios, ilhas, batalhas navais, pilhagem, putaria e tudo de emocionante que a vida possa lhe oferecer, e a história gira em torno de ninguém menos do que Edward Kenway, pai do Haytham e avô do Connor. Edward é um pirata que apronta altas confusões junto com sua tripulação da pesada atrás de seu sonho de conseguir fama e glória porque tinha uma vida de merda e resolveu fazer alguma coisa pra mudar e se transformar em alguém importante, isso o levou a deixar sua esposa pra se tornar um corsário da Marinha Britânica, mas houve o Tratado de Utrecht que acabou com os corsários, deixou Edward sem emprego e o forçou a se tornar um pirata ilegal abordo de um navio de guerra.

Desde então, Edward seguiu sua vida na pirataria e foi pilhando navios por aí, até que certo dia eles atacaram um navio que acabou dando conta de lutar de volta, o capitão de Edward morreu, ele tentou pegar o leme, mas não deu em muita coisa, os dois navios foram destruídos e quase todo mundo morreu... Oops.

Edward sobreviveu à treta assim como o dono do outro navio, um assassino chamado Duncan Walpole, os dois têm uma conversa não muito amigável, Duncan foge, Edward persegue o bastardo até alcançar e acabar o matando, depois roubando o corpo de Duncan e descobrindo que ele era um assassino que iria para Havana pra se juntar a Ordem dos Templários comandada pelo governador Laureano de Torres. Querendo ver no que essa merda vai dar, Edward põe as roupas de Duncan e vai pra Havana se passando pelo próprio.

Então ele se encontra com Torres e os outros templários, que têm o objetivo de encontrar o Observatório, que é um local da antiga civilização de onde você pode observar cada indivíduo e descobrir todos os seus segredos, e eventualmente eles encontram um sábio chamado Bartholomew Roberts que sabe da localização do Observatório, e depois de serem atacados por assassinos que vieram resgatar Roberts, o sábio é levado pra prisão e Edward recebe uma mixaria pelo seu trabalho, ficando putasso, tomando a decisão de achar o Observatório e vender pelo preço mais alto possível, assim ele vai atrás do sábio, mas não o encontra, os templários descobrem seu disfarce e o jogam numa prisão de um navio onde ele acaba se libertando, libertando outros prisioneiros e fugindo com esse navio.

Depois de um tempo ele acaba entrando nesse conflito de Assassinos vs Templários que sempre aconteceu no decorrer da série e a história surpreendentemente fica mais desinteressante a partir desse ponto ao invés de melhorar...


A história de Assassin's Creed IV começa bem promissora, admito, eu estava gostando da maneira como ela estava se "montando" no começo, com o Edward entrando no meio desse conflito sem nem ao menos fazer ideia do conflito em si, a maneira como ela começou sem monotonia demais e tudo o que você sabe do passado do Edward é apropriadamente explicado por Flashbacks ao invés de você ter que jogar missões tediosas com ele antes de se tornar um cara fodão, o ritmo estava bom até demais e eu fiquei interessado na história mais rápido do que fiquei na de qualquer outro Assassin's Creed até então.

Só que parece que a inspiração dos roteiristas da Ubisoft foi inteiramente gasta no começo, porque a partir do momento em que Edward foge de Havana, vai pra Nassau e continua suas viagens até saber do conflito em si e da importância de Roberts, tudo isso passa a tomar um lado mais... Meh, não é nem por eu não ser o maior fã de piratas do mundo, eu até gosto do conceito, mas a narrativa em si ficou mais fraca depois de um tempo, nenhum dos personagens além do Edward e do Blackbeard me pareceram interessantes, as vezes a história era bem previsível e algumas partes como a de pegar as medicinas em Nassau parecem ser puro filler pra arrastar a história por mais tempo, o ritmo começa bom, mas depois fica tão lento que algumas vezes eu literalmente parei de prestar atenção direito na história.

Mas sendo justo, a história tem sim seus pontos fortes apesar da narrativa sem sal, como toda a batalha onde Nassau é bloqueada pela Marinha Real e Edward e sua tripulação precisam dar um jeito de voltar tudo pro jeito que tava antes, o que depois acaba resultando num conflito maior, o modo como ela retrata os piratas é bem divertido algumas vezes e mostra uma cultura meio diferente pra mim que nunca soube muita coisa de piratas... E o desenvolvimento do Edward como personagem é surpreendentemente bom.

Antes eu imaginava que o Edward seria algum tipo de Ezio Auditore pirata e isso me fez não ter muito interesse nele, porque todo mundo reclamou do Connor, logo eu realmente julguei que tentariam criar um Ezio 2.0, mas o caso é que o Edward é diferente de praticamente qualquer outro protagonista da série, ele é mais descontraído do que o Connor, não é mulherengo como o Ezio e muito menos honrado como o Altair, Edward inicialmente é um cara carismático, talentoso, mas egoísta, que só pensa em seus próprios ganhos, mas depois vai sentindo falta do que deixou pra trás ao mesmo tempo que aprende a se importar com mais do que apenas seu ganho pessoal, o modo como ele evolui foi o que me manteve jogando as missões da história do jogo, isso e a relação dele com o Blackbeard que também era um bom personagem.

Falando de personagens, tirando esses dois, a maioria dos outros personagens desse jogo nunca me atraíram muito, nem mesmo os vilões, que agora são bem mais fracos, não que sejam ruins, eles têm seus objetivos e as vezes têm seus momentos de brilho, mas nenhum dos três antagonistas principais desse jogo chega perto do Charles Lee de Assassin's Creed III ou dos Borgia no II, principalmente o Torres que é o antagonista principal, ele nunca me passou a impressão de ser um vilão filho da puta como os passados, e assim que eu matei ele no final do jogo, eu não senti aquela satisfação de ter acabado de matar o grande cuzão que vem destruindo minha vida o tempo todo e sim a sensação de que eu só... Matei um cara.

Assassin's Far Cry IV?


Se você gostou dos gráficos de Assassin's Creed III, você provavelmente não vai se decepcionar com Assassin's Creed IV, porque é basicamente uma evolução daquilo. Tecnicamente, os gráficos são bem similares aos do último jogo, só que mais polidos, com sombras menos serrilhadas, melhores efeitos de sombra/luz e água, os modelos também receberam uma leve polida e parecem mais detalhados.

As animações do jogo também são boas e fluídas, mas conhecendo a Ubisoft, ela adora reciclar animações pro personagem que você controla, e yep, eles fizeram isso de novo, várias animações do Edward são exatamente iguais as do Connor, ele anda igual o Connor, corre igual o Connor, mata os inimigos com a Hidden Blade como o Connor fazia, seja correndo, no ar, quase todas as animações de finalização com a Hidden Blade são recicladas do Connor, mas também existem novas animações, já que Edward usa duas espadas ao invés de um machado e uma adaga como Connor fazia, e nesse caso, o estilo de luta dele não é tão brutal quanto, mas ainda é bonito de assistir.

Mas acho que o máximo de animações novas que Edward tem é isso, o resto é tudo reciclado do Connor, sem nada a mais ou a menos, no máximo, ao menos os cenários agora parecem bem mais vivos, eles estão mais detalhados e com mais flora e fauna do que nunca e as cidades continuam cheias de gente fazendo suas atividades diárias por aí.


A direção artística desse jogo, é uma evolução do que tinha em Assassin's Creed III e se você gostou dos ambientes naturais lá, eu tenho ótimas notícias, pois não só esse jogo tem os mesmos tipos de florestas, montanhas e tudo o que você já tinha visto no último jogo como também existem ainda mais tipos de localizações diferentes, ilhas, praias, fortalezas, ruínas maias, provavelmente qualquer um dos seus locais da natureza favoritos estarão presentes aqui, e nesse quesito eu não pude deixar de notar a semelhança da arte desse jogo com Far Cry 3, as cores mais vibrantes em comparação com os outros e algumas construções como tendas, pequenas casas e até mesmo os fortes espalhados por aí nas florestas são parecidos com aquelas que tinham em Far Cry 3, talvez foi por inspiração mesmo, mas apenas dê uma olhada nisso (ACIV) e depois nisso (Far Cry 3).

Isso seria um problema? Nah, pra falar a verdade não, o jogo ainda é bonito e a arte cai perfeitamente com esse tema de piratas e coisas do tipo, então tá valendo.

E ainda que as florestas/ilhas pareçam Far Cry com ou sem intenção, os locais do jogo ainda têm aquele feel de Assassin's Creed, e isso também vale pras cidades, são três cidades grandes presentes no jogo, a cidade costal de Havana em Cuba, Nassau que é a capital da República dos Piratas e fica nas Baamas, e Kingston que é uma cidade jamaicana, cada uma tem seus aspectos únicos, arquiteturas variadas, ambientes diferentes e acima de tudo bonitos, cada um da sua própria forma.

Do what you want 'cause a pirate is free, you are a pirate!



Yar har fiddle-dee-dee, being a pirate is all right to be! Do what you want 'cause a pirate is free, you are a pirate! ♫

... Perdão, as vezes eu me empolgo quando essa música me vem na cabeça.

Então, como é o gameplay de Assassin's Creed IV? É bom? É ruim? É diferente? É a mesma coisa que Assassin's Creed III? As missões são legais? Tem coisas pra fazer? O jogo é bugado? Na verdade... É um pouco de cada uma dessas definições, Assassin's Creed IV é a melhor definição de "pacote misturado" que eu já vi nos últimos tempos, algumas coisas são boas e outras não.

Começando pelo básico, a mecânica desse jogo é exatamente a mesma de Assassin's Creed III, tudo o que você fazia lá, você consegue fazer aqui sem maiores problemas, mas honestamente eu ainda acho que a mecânica antiga que foi usada em Assassin's Creed II é superior a essa, muitos dos problemas que eu tive com Asssassin's Creed III, eu também tive aqui, as vezes até mais do que antes, por exemplo o fato de ter apenas um botão pra correr, escalar e fazer as tretas todas de Parkour.

O problema é que assim como era com o Connor, muitas vezes eu fui segurar o botão pra correr, perseguindo alguma pessoa e tal, mas o Edward acabava subindo em estruturas que eu não queria que ele subisse, só porque eu segurava o botão de correr perto dela, quando no II eu segurava o botão de correr e se eu quisesse escalar algo, era só eu segurar A, essa simplificação da mecânica de Parkour que já era simples pra início de conversa  foi desnecessária e ficou pior... Não o suficiente pra estragar o jogo, claro, assim como em Assassin's Creed III, com o tempo você pega o jeito e não tem muitos problemas, você vai estar fazendo Parkour em árvores, montanhas, telhados de construções que dessa vez voltaram a ser legais de fazer Parjour, tá tudo aqui.

Uma coisa meio chata é que esse jogo é meio bugado assim como Assassin's Creed III era, e um dos bugs mais estranhos aconteceram comigo logo no começo do jogo em Havana, depois de seguir o Bonnet, eu fui correr pra subir na igreja pra achar um viewpoint e poder progredir na história, mas sem querer esbarrei num cara que carregava uma caixa e então não pude mais correr, por mais que eu apertasse outros botões, o Edward só andava, não fazia mais nada, depois reiniciei a missão e ficou normal... Foi estranho e talvez beeem aleatório, mas ainda achei que devia falar sobre essa bizarrice aqui.

Você também pode usar a Eagle Vision e ela funciona exatamente como nos jogos passados da série, então dispensa introduções aqui... Só que algum filho da puta na Ubisoft achou que seria legal ter a Eagle Vision desativada cada vez que você corresse no jogo, e eu nem preciso falar que isso foi uma ideia de merda, porque é irritante, principalmente nas missões onde eu precisava procurar alguém através da Eagle Vision ou até seguir alguma pessoa, a Eagle Vision mostrava o alvo, mas quando eu ia dar uma aceleradinha pra não ficar longe demais dele, a Eagle Vision era desativada e as vezes meu alvo ficava sumido no meio das pessoas lá, então eu tinha sempre que ir pra uma cobertura, usar a Eagle Vision, depois ir pra outra cobertura, usar ela, e o processo vai se repetindo.

Por que? Qual era o problema com a Eagle Vision nos outros jogos? Por que precisavam fazer uma merda dessas? Isso quebra tanto o ritmo do jogo que esse é o primeiro Assassin's Creed onde eu usava a Eagle Vision contra a minha vontade, eu não gostava de usar isso e as vezes era forçado pra encontrar alvos no meio do povão ou em seções de stealth que continuam ruins como sempre foram na série toda. A Eagle Vision suga um canavial de caralhos nesse jogo e quem teve essa ideia devia se sentir um lixo de pessoa por isso!

Maldito...


Os combates também são basicamente a mesma coisa de Assassin's Creed III, você pode atacar, usar sua arma secundária, dar contra-ataques variados, e os inimigos são relativamente mais agressivos do que antes, apesar do fato de não ter um lock-on manual ainda me incomodar, eu estive mais acostumado com a nova mecânica de combate, então não foi um grande problema pra mim, os combates do jogo ainda são divertidos mesmo que fáceis demais na maior parte do tempo, e a mira das armas de fogo como as duas pistolas do Edward é muito melhor do que aquela mira horrorosa de armas de fogo no III.

Só que mesmo os combates sendo divertidos por si só, Assassin's Creed IV sofre de uma variedade ainda menor de armas do que seu antecessor que ainda tinha outras coisas legais pra usar além dos machados como flechas, aquele dardo com cordas e as minas, apesar da variedade ser menor lá, as novas armas eram divertidas de usar e deixavam isso menos agravante, então engoli isso com menos dificuldade mesmo sentindo falta das várias armas que eu tinha a minha disposição nos jogos da saga do II.

Agora e aqui? Edward tem tudo o que o Connor tinha, exceto pelas minas e os machados são trocados por espadas, mas só, ele não tem mais nada de novo exceto pelas pistolas que funcionam de modo parecido com as armas de fogo de antes, só que com mira decente... Você também pode tomar armas de inimigos ou pegar armas jogadas no chão por aí pra amenizar isso e usar algo diferente pra variar, mas isso também acaba ficando cansativo porque você usa essa arma momentaneamente e depois joga fora, e nem nas lojas tem outros tipos de armas, você só compra outras do mesmo tipo das que você já tem e o jogo em si não adiciona nada novo no seu arsenal, o dardo de corda lá você só consegue mesmo bem mais tarde, e ainda assim o uso dele é bem mais limitado já que é "gastável".

Depois de tantos jogos com armas variadas, ao invés de evoluírem isso, trazem um que consegue ser mais raso ao mesmo tempo que não adiciona muita coisa nova, um troço desses é difícil de entender... Aliás o que se passa na cabeça de certos game designers por si só é difícil de entender.

A propósito, tem as missões da história que são... Erm... Estranhas... No começo tudo parece bom, você é apresentado ao Edward, ele parece um cara legal, você acaba de perseguir um cara e matar ele, pilota um navio, dá umas corridas por aí, depois se infiltra no meio dos templários sendo que o Edward nem fazia ideia do conflito em que ele estava entrando, depois eles descobrem, você é preso, tem que ir libertando os prisioneiros do navio pra roubar ele num cenário chuvoso com tempestades, fugindo em alto mar e tudo o que teria de épico pro começo de um jogo, minha reação ao primeiro ato todo de Assassin's Creed IV foi soltar um "Wow!", principalmente porque era um jogo que eu nem tava muito animado pra jogar, logo fiquei surpreso com o rumo que as coisas estavam tomando.

Só que assim como a história, as missões principais também ficam mais fracas depois disso, o maior problema com elas é justamente a repetição, depois disso ainda é ok, você tem que recrutar piratas, matar animais, conseguir coisas necessárias pra começar a ser um capitão pirata fodão, mas depois as missões basicamente se resumem em seguir tal pessoa, ou seguir tal navio, até chegar em tal lugar onde você tem que ouvir umas conversas escondido, depois você precisa assassinar tal alvo, discretamente ou indo lá na cara dele e matando mesmo, então depois... Você segue mais gente e basicamente faz a mesma coisa, só tem umas batalhas navais ou conflitos maiores onde tem mais ação que normalmente são as melhores partes das missões da história, mas o jogo é estranhamente mais focado nisso de "seguir X até Y" pra depois fazer algo na hora que o jogo quer que você faça, me lembrou vagamente do primeiro Assassin's Creed, que era extremamente monótono e repetitivo.

E isso tudo sendo interrompido ocasionalmente pra jogar num modo de primeira pessoa tosco no presente na Abstergo pra interagir com a história desinteressante e os personagens desinteressantes de lá, não é muito frequente, mas com esse modo de primeira pessoa quase completamente scriptado e lerdo com aquele celular ou sei lá o que que faz milhões de coisas diferentes e nenhuma dessas é particularmente legal, essa merda parece mais monótona ainda do que jogar com o Desmond nos jogos passados... Pelo amor de Davy Jones, Ubisoft, NINGUÉM LIGA pra essas partes no presente! Ninguém nunca ligou e ninguém nunca ligará, a ideia de ter uma história no passado que interliga com a do presente era boa, mas a execução foi horrível e agora já é tarde, apenas descartem isso logo e façam histórias centradas no passado.

Então Assassin's Creed IV é uma bosta de jogo que deve ser evitada a todo custo? Na verdade... Não exatamente.


Sim, as missões principais que seguem a história são decepcionantes em maior parte, sem dúvidas quanto a isso, mas felizmente, Assassin's Creed IV consegue se salvar de ser extremamente monótono com... O free roam e as batalhas navais! As batalhas navais foram expandidas nesse jogo, assim como antes, você pode fazer upgrades no Jackdaw, que é o seu novo navio, ganhando batalhas navais, pegando objetos como madeira, ferro, e coisas que normalmente são usadas pra construir navios e por algum motivo você não pode comprar em lojas de utilidades espalhadas por aí, mas ok, isso deve te incentivar a participar de mais batalhas navais, eu acho... Mas os upgrades que você pode fazer no Jackdaw vão desde tiros de canhão mais fortes até correntes, rams, morteiros, minas aquáticas e outras coisas que tornam o combate naval mais variado, além de novas "armaduras" que deixam o navio mais resistente.

Você pode recrutar piratas que estão ou lutando contra autoridades ou brigando em bares por aí, qualquer evento aleatório onde você deve ajudar alguma pessoa a vencer uma luta provavelmente vai resultar em novos membros pra sua tripulação, e você pode customizar até mesmo esses caras, botando eles pra comandar outros navios que você pegou, subindo eles de rank, coisas do tipo, e você também pode interagir com eles enquanto anda pelo navio, é legal observar as atividades deles e coisas assim, não é nada demais, mas são detalhes bons... Ah sim, e os caras podem morrer no meio das batalhas navais, então melhor tomar cuidado porque a morte é permanente e aí você vai ter que contratar novos marujos e aí "upar" ele também.

Basicamente você VAI usar o Jackdaw nesse jogo, nem que seja só pra seguir a história, você vai precisar dele mais do que qualquer outra coisa, e no free roam mais ainda, você explora o mundo inteiro do jogo praticamente usando o Jackdaw, pode encontrar navios por aí e analisá-los com a Spyglass pra ver se vale a pena entrar numa batalha contra ele, se tem carga boa, se você tem chances de vencer a batalha ou se você e sua tripulação serão violados analmente pelas balas de canhão do navio oponente pra depois morrerem no meio do mar e servirem de comida pra algum tubarão sortudo que passar por aí, e as batalhas agora estão mais épicas do que nunca com a possibilidade de invadir o navio inimigo quando estão próximos o suficiente, sair descendo a porrada nos filhos da puta que aparecerem até matar o capitão do navio inimigo por si só, mas é óbvio que você tem que saber a hora certa de fazer isso, se você chegar lá na hora que quiser, provavelmente vai durar alguns segundos até virar presunto nas mãos dos seus inimigos, o ideal é fazer isso quando o navio inimigo estiver com baixa vida, daí você vai lá e domina tudo pra adicionar esse navio a sua frota se quiser.

Além das batalhas navais, também existe exploração, muita exploração em Assassin's Creed IV, o mapa do jogo é enorme e sempre tem alguma coisa pra fazer, além das já conhecidas invasões a fortes e contratos de assassinatos que existem na série desde Assassin's Creed II, também existem os contratos navais que funcionam da mesma maneira que funcionavam no último jogo, você também pode procurar por baús enterrados por aí e tesouros com mapas, afinal o que é um jogo de pirata que se prese sem caça a tesouros? E o mapa é lotado deles, todos te dão coisas como dinheiro e/ou material pra craft, muitos desses até estão debaixo d'água e navios afundados por aí, pode caçar baleias e animais pra ter material pra vender por aí, pode destravar tavernas, roupas diferentes pro Edward, lutar contra navios lendários que você provavelmente só vai vencer se destravar todas as upgrades de elite pro Jackdaw, pode destravar viewpoints que servem como pontos de fast travel, enfim, O CÉU É A PORRA DO LIMITE!!!

Pois é, o mapa é enorme e cheio de coisas pra fazer, e como eu gosto de explorar, pra mim isso é um prato mais do que cheio, eu sinceramente gostei mais de explorar o mapa desse jogo do que de seguir as missões da história, quando normalmente acontece o contrário quando jogo Assassin's Creed, a maioria das side missions e coisas do tipo são um saco e eu só vou pras missões da história de uma vez, então apesar da campanha principal ser meh, explorar aqui é mais divertido do que em qualquer outro jogo da série.

Faça um favor a si mesmo e evite a dublagem brasileira


A trilha sonora desse jogo... Também não é composta pelo Jesper Kyd, o compositor dessa vez é Brian Tyler, e mesmo ainda não sendo o Jesper Kyd, ele fez um trabalho bem decente com a trilha sonora de Assassin's Creed IV, a música tema me lembra Piratas do Caribe, a maioria das outras músicas do jogo combinam com o tema e dão vontade de pegar um navio e sair navegando pelos mares por aí, nem todas as músicas são memoráveis, mas quando são, elas são boas mesmo.

A dublagem é boa... Se você tiver colocado na dublagem original onde os caras tentam de fato interpretar os personagens e conseguem, a dublagem brasileira desse jogo mostra exatamente o porquê de dublagens brasileiras serem um saco, as vozes não combinam na maior parte do tempo e os dubladores mostram tanta emoção em suas falas quanto um robô, é como se você tivesse pego uma equipe de dublagem BR ruim de um anime, apontado pra eles e gritado "ESSES SERÃO OS DUBLADORES DO NOSSO PRÓXIMO JOGO!", e isso simplesmente não se faz...

... Bem, ao menos você não é forçado a ouvir a dublagem brasileira, então tudo bem, só queria algo mais digno mesmo.

Veredicto final

Eu nem sei se posso dizer que estou decepcionado com Assassin's Creed IV, porque como eu disse antes, eu não estava com expectativas altas quando peguei esse jogo e tendo jogado, eu fiquei surpreso com o quanto eu aproveitei do jogo, mas eu meio que aproveitei não exatamente pelos motivos certos, eu gostei de fazer tudo, menos seguir a história principal desse jogo, mas eu continuei seguindo porque queria acabar logo com isso, e a história realmente é decepcionante, eles nunca aproveitaram todo o potencial que ela tinha, isso e umas escolhas de design estranhas são o que mais estragam Assassin's Creed IV e o impedem de ser mais do que um jogo só um pouco acima da média...

Claro, pra um jogo que eu nem ao menos tinha ânimo pra jogar, Assassin's Creed IV foi melhor do que eu esperava, mas eu simplesmente esperava mais levando em conta com o quanto o jogo parecia promissor nas suas primeiras horas, ele podia ter sido algo muito mais grandioso do que isso, e é essa a parte que me decepciona, agora resta saber se os próximos jogos da série vão consertar isso ou realmente isso vai virar outra franquia com jogos anuais cada vez mais preguiçosos.

Prós:

+ Edward é um bom protagonista.
+ Gráficos bonitos.
+ As batalhas navais são tão boas quanto sempre foram.
+ Cheio de conteúdo pra explorar.

Contras:

- A história principal como um todo é decepcionante.
- Missões principais repetitivas.
- Por que diabos fizeram isso com a Eagle Vision?
- Sério que ainda tem partes no presente?
- Evoluíram a mecânica naval, mas nada da terrestre.

Gráficos: 8/10
Enredo: 6/10
Gameplay: 6/10
Som: 7/10
Conteúdo extra: 9/10

Veredicto:

{ 40 comentários }

  1. I see what you did there

    ResponderExcluir
  2. E eu pensei que vc tinha gostado desse jogo

    ResponderExcluir
  3. Pra falar a verdade, quando eu disse pra Ciel que tava gostando do jogo, eu não tinha progredido muito ainda, com o tempo ele foi ficando mais fraco mesmo.

    ResponderExcluir
  4. Entendi, eu nem gostei mesmo, parecia mais um jogo separado de pirata do que Assassin's Creed, no 3 eu tambem n senti como se tivesse jogando AC com aquele monte de tutorial longo pra aprender a caçar animais ou jogar xadrez, ajudar fazendeiros, fazer tudo, menos ser um assassino, o que devia ser o foco do jogo.


    Até hoje eu n sei o que raios o Connor é, se ele é um indio, um agente, um assassino, um carteiro, o cara faz tudo naquilo, e a maioria das coisas pra fazer eram chatas

    ResponderExcluir
  5. O caso do Connor é outro, o lance de caçar animais foi basicamente pra cumprimentar a natureza de índio dele, e quanto as side missions, eu basicamente fiz as do Homestead, as missões navais, as missões de liberação e os contratos de assassinatos, o resto foi opcional, logo eu não fiz porque não me interessava.

    ResponderExcluir
  6. Rapaz, você pode me xingar, mas eu gosto da storyline da Abstergo... não muito da maneira como executaram, mas sempre abracei essa ideia de ter um fim do mundo iminente no presente e você precisar voltar pro passado para achar a solução pra isso, ainda que o Desmond e os outros personagens não sejam carismáticos ou interessantes, isso não parece ser culpa deles, a Ubi também nunca quis desenvolver nada no presente, tudo foi muito mal explorado, pior ainda no Black Flag que fica claro que eles nem estão tentando mais.


    O Desmond podia ser um personagem muito bom se os roteiristas deixassem de ser preguiçosos com o presente, ele passa por um monte de coisas, é capturado do nada pela Abstergo, tem que virar um assassino porque alguma profecia maluca envolve ele, se envolve em várias situações perigosas e põe a sua própria vida em risco na Animus, mas nunca amadurece ou evolui, ele é o mesmo Desmond chato e reclamão que conheci no primeiro AC.


    Aí eu fiquei fulo porque quando dão uma chance ao Desmond de brilhar no AC3 dando um papel maior do que só ser o cara que entra e sai da Animus, ele começava a parecer um personagem melhor e aí matam ele, foi uma puta falta de sacanagem da parte da Ubisoft.

    ResponderExcluir
  7. Ah, da ideia eu também gosto, como mencionei nesse post mesmo, só que a Ubisoft já jogou isso fora há tempos, deviam parar e só ficar no passado porque tá ficando ridículo.

    ResponderExcluir
  8. Eu acho que já que mataram o Desmond, podiam tentar de novo com algo mais envolvente, mas já vi que só estão botando essas partes como fillers, o que é uma pena...

    ResponderExcluir
  9. sdds ser assassino num jogo de Assassin's Creed

    ResponderExcluir
  10. SIM O 1 É A RASPA DO CU DO CACHORRO, COMEÇA PELO 2

    ResponderExcluir
  11. Antes eu tinha um pensamento de que aos poucos os AC's iam ter mais foco no presente com a história toda do fim do mundo, no 3 já tinha mais coisa com o Desmond, até que então teriamos um AC completamente moderno sendo talvez o jogo final da série, mas parece que isso vai por água abaixo com o 4

    ResponderExcluir
  12. Eu gostei mais do Blackbeard do que do Edward.

    ResponderExcluir
  13. Vladmir III, o punheteiro25 de novembro de 2013 01:47

    Pra mim, nem precisava do carynha-que-você-controla-primeiro no jogo, pulava pros assassinos.

    ResponderExcluir
  14. Vladmir III, o punheteiro25 de novembro de 2013 01:47

    HEUHEUHEUEHUEHEUE

    ResponderExcluir
  15. Vladmir III, o punheteiro25 de novembro de 2013 01:47

    http://www.youtube.com/watch?v=B2HCwPHy8c4&hd=1



    AAAAAARRRRRRRRGGGGG

    ResponderExcluir
  16. Vladmir III, o punheteiro25 de novembro de 2013 01:47

    http://www.youtube.com/watch?v=3lwZ6L287kQ&hd=1



    YARG YARG TINDINTINDIN

    ResponderExcluir
  17. Vladmir III, o punheteiro25 de novembro de 2013 01:47

    pasokapasoka´paospaospaspaosaspapspaosapskaka

    ResponderExcluir
  18. Que bosta. hauehauheauhuehauheua

    ResponderExcluir
  19. Eu até achei que as partes no presente tomaram um rumo interessante mais depois no final quando você descobre que tem mais coisa por trás dessa 'nova' Abstergo, só precisa agora de melhorar e desenvolver tudo melhor, e sem essa perspectiva chata de primeira pessoa por favor.

    ResponderExcluir
  20. Bem... Não é horrível, mas é ofensivamente repetitivo e tedioso, é a partir do II que a série fica boa mesmo.

    ResponderExcluir
  21. Original the Character25 de novembro de 2013 01:48

    O 1 é tão ruim assim?

    ResponderExcluir
  22. Eu ia falar que você devia começar do primeiro, mas... Nah, leia a história dele numa wiki qualquer e jogue o II, não vai estar perdendo muita coisa.

    ResponderExcluir
  23. Eu nem sei como eles podiam redimir a história do presente depois de cinco jogos sem conseguir fazer ela parecer remotamente interessante, ia ter que ser uma repaginada completa, só que você mesmo viu, é a mesma história desinteressante cheia de personagens desinteressantes.

    ResponderExcluir
  24. Original the Character25 de novembro de 2013 01:48

    BLACK FAG ALSKDMAÇSLMDLASDMLÃSLDÇASMD

    ResponderExcluir
  25. Original the Character25 de novembro de 2013 01:48

    Eu nunca me interessei por Assassin's Creed, mas se por acaso for jogar algum pra conhecer, vou lembrar de não pegar esse.

    ResponderExcluir
  26. Creio que a intenção era variar a jogabilidade, só que esqueceram de fazer isso dentro do contexto de que o Connor é um assassino e não um personagem de GTA.

    ResponderExcluir
  27. Vladmir III, o punheteiro25 de novembro de 2013 14:15

    Bem, eu ia falar o quanto odeio esse jogo, mas como uma imagem vale mais do que mil palavras, eu fiz essa umilde (com U de húmido) ilustração:

    ResponderExcluir
  28. Eita, que logotipo mais violento.

    ResponderExcluir
  29. Porra, a versão BR dessa música não tem nada a ver com a original.


    Bando de organizadores pau no cu.

    ResponderExcluir
  30. Vladmir III, o punheteiro26 de novembro de 2013 12:56

    Edward... hmm... Edward Teach?

    ResponderExcluir
  31. Vladmir III, o punheteiro26 de novembro de 2013 14:28

    ...Eu não esperava que alguém visse o vídeo .____________.

    ResponderExcluir
  32. Achei as missões de assassinato muito limitadas. A maioria ocorre em um navio com um monte de áreas restritas. Me fez sentir falta das missões de assassinato em publico, no meio da multidão, "A blade in the crowd", como eles diziam em AC1 e AC2.

    Fico imaginando que esse jogo seria um simulador de Pirata, mas decidiram por o nome "Assassin's Creed" porque a franquia é famosa. Não me senti muito uma assassina jogando esse jogo, pela falta de "Social stealth" por assim dizer.

    ResponderExcluir
  33. Assassin's creed? acho q não. Tá mais pra um "abstergo adventure", onde agora vc é um pirata. Todos os elementos de assassinato, sincronia em torres e super lugares q vc tinha q escalar foram tirados, sendo trocado por um jogo de piratas com guerras navais, e q por acaso lembra assasins creed em alguns movimentos. Só. Mas definitivamente isso não é assassin's creed

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, não é um Assassin's Creed "puro" e sim um jogo de pirata com elementos de Assassin's Creed, mas o que realmente matou o jogo pra mim foi o modo como a campanha principal não chegava nem perto de ser divertida como explorar o mapa.

      Excluir
  34. Então vc vai desistir da série Assassin's creed de vez?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nope, ainda gosto da série, esse jogo não foi brochante o suficiente pra eu desistir dela.

      Excluir
  35. Nossa o jogo e otimo os que reclamam e prq nao tiveram dinheiro para comprar o black flag e tiveram q ficar com os anteriores

    ResponderExcluir

- Copyright © Blog do Ryu - Date A Live - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -